Deathloop: rodando em nossos PC da Crise, Baratinho e testando o Ray Tracing!

Colocamos desde computadores modestos até modelos com Ray Tracing!

Deathloop é um dos principais lançamentos de setembro e nesse vídeo vamos mais uma vez experimentar como o jogo está rodando em diversos perfis de componentes, passando desde hardwares abaixo das especificações recomendadas até peças high-end com suporte a tecnologias com o Ray Tracing.

Nossas baterias de testes iniciais usaram duas bancadas, uma baseada em gráficos integrados, codinome PC da Crise:

- Processador AMD Ryzen 3 3200G
- Gráficos integrados no CPU Vega 8
- Placa-mãe ASUS A320M-K/BR
- 2x8GB DDR4 Teamgroup T-Force Vulkan @3000MHz
- Fonte de 300W SFX 80 PLUS

Também colocamos em ação nosso computador de entrada, o codinome PC Baratinho:

- Intel Core i3-10100
- 2x8GB DDR4 TeamGroup @2400MHz
- Asus Prime H410M
- Zotac GeForce GTX 1050 Ti Mini
- Fonte Cooler Master V550 MWE

- Continua após a publicidade -

Nós também colocamos em ação hardwares de mais performance para conferir o que muda no game quando podemos mandar ver em configurações mais avançadas. Assim entram em ação placas compatíveis com Ray Tracing tanto da AMD quanto da Nvidia, além de hardwares mais robustos que incluem:

- AMD Ryzen 7 5800X
- 2x16GB Kingston Fury @4000MHz CL19
- Gigabyte X470 Aorus Gaming 7
      - EVGA GeForce RTX 3060 XC Black
      - Gigabyte GeForce RTX 6700 XT Gaming OC
- Fonte Cooler Master V1200 Platinum

Agora além de trazermos nossos testes para a qualidade máxima em FullHD, agora temos também hardwares acelerando Ray Tracing tanto com os RT Cores da GeForce RTX quanto os Ray Acelerators na Radeon RX. Os dois efeitos disponíveis são sombras solares e oclusão de ambiente, que pode passar a ser feita por Ray Tracing. O resultado é visível abaixo:

- Continua após a publicidade -

Sem dúvidas os dois efeitos trazem melhorias significativas na imagem. A oclusão de ambiente escurece regiões com muitos objetos, criando um volume maior para os objetos, enquanto as sombras solares criam um efeito bem mais suavizado para as sombras, imitando mais claramente o comportamento da luz, que possui bordas mais suavizadas devido a natureza mais instável da luz e como ela reflete nos objetos.

Mas a preocupação, quando o assunto é Ray Tracing, não é só nas melhorias gráficas, mas também o impacto que habilitar esses recursos vai causar na performance. E mais uma vez notamos uma vantagem para a Nvidia quando habilitamos o RT, como fica evidente no comparativo abaixo.

No comparativo temos a RTX 3060 e a RX 6700 XT, e aqui é importante um detalhe: no momento em que fizemos os testes não estava disponível por aqui a RX 6600 XT, a concorrente direta do modelo RTX 3060. Isso fica evidente quando comparamos o teste sem RT, onde só com rasterização a 6700 XT fica com clara vantagem. Mas é ligar o RT para ver a performance cair muito mais no lado Radeon que o GeForce, e dando a vantagem para RTX 3060 quando temos Ray Tracing habilitado.

Outro fator relevante foi o 1% dos gráficos. A Radeon RX oscilou muito mais de performance que a RTX 3060, resultando em variações muito maiores no comparativo da média versus o percentil. Isso nos indica um gameplay muito mais inconstante, com mais stutterings e variações mais perceptíveis na taxa de quadros, o que leva a um gameplay menos fluido. 

Deathloop está disponível para compra na Steam e na Nuuvem em sua versão para PC e na Playstation Store em suas versões para Playstation 4 e 5

Nós experimentamos o game em live. Abaixo vocês podem ver nosso gameplay mostrando um pouco do modo multijogador, com direito a uma invasão no meio da partida:

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Assuntos
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Mais vídeos










O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.