HP Probook X360 - testamos um 2-em-1 com Ryzen 4000!

Experimentamos a performance e eficiência do novo hardware AMD
Por Diego Kerber 24/04/2021 15:58 | atualizado 24/04/2021 16:00 Comentários Reportar erro

Recebemos para testes da AMD Brasil o HP ProBook X360 435 G7, um notebook equipado com a série 4000 de processadores AMD Ryzen e gráficos Radeon. Esse modelo compacto de 13 polegadas tem foco no mercado corporativo, como indica sua nomenclatura ProBook, e tem como grande diferencial sua versatilidade, com um design que rotaciona 360º e uma tela sensível a toques que pode ser usada como tablet.

Site oficial HP ProBook x360 435 G7

Principais especificações

- AMD Ryzen 4300U - 4 núcleos/ 4 threads @2.7GHz/3.7GHz
- AMD Radeon 5 @1400MHz
- Tela sensível a toques e suporte a caneta de 13,3 polegadas, resolução FullHD
- 1x8 GB DDR4 3200MHz
- SSD 256GB NVMe 3.0
- 2x USB Gen3.1, 1 USB-C, 1x conector de fone de ouvido, 1x HDMI 1.4
- Leitor de cartão
- 1,45kg, 30,85 x 22,29 x 1,79 cm

Abaixo temos alguns dos testes de performance que rodamos para verificar a evolução desse produto, especialmente comparando com o Acer Aspire 3, equipado com o Ryzen 3 2200U. Infelizmente ainda não testamos rivais diretos desse processador por conta da Intel, sendo que o mais perto disso que chegamos é o Intel core i5 da 11ª geração do Dell, enquanto o Asus vem equipado com um Core i7 da 11ª geração. Mantivemos os dados apenas como critério de comparação.

- Continua após a publicidade -

- Continua após a publicidade -

Importante destacar que ao longo dos gráficos o modelo da Acer aparecerá duas vezes: uma com os 4GB de RAM em single-channel, configuração de fábrica desse modelo, e outra com 32GB em dual-channel, algo que impacta especialmente em games, que tiram muito benefício da memória mais rápida para gráficos integrados. O HP ProBook vem com apenas uma memória, ou seja, tem potencial de apresentar um salto de desempenho parecido com o feito pelo Acer com um upgrade para dois módulos de memória.

E sem tem algo que a AMD evolui foi a autonomia. Esse HP traz o resultado mais impressionante que um hardware da empresa já entregou em duração de bateria, batendo de frente com as melhores soluções da Intel, e garantindo uma duração de bateria que excede 12 horas de nosso teste de uso leve.

Na experiência geral, dá pra ver a plataforma AMD ficando madura nos notebooks em suas gerações mais recentes, em uma forma semelhante como a competição também se acirrou nos desktops. O desempenho em processador tem saltos relevantes em favor dos Ryzen mais recentes, enquanto os gráficos também tem melhorias, mas aí quem melhorou seu jogo foi a Intel e seus gráficos Intel Xe.

O HP ProBook é um excelente dispositivo, unindo os elementos principais de um bom notebook, como bom desempenho, responsividade e boa duração de bateria. Ele não chega s ser tão compacto como alguns modelos ultrafinos, mas isso traz alguns benefícios como um pouco mais de espaço para dissipação de calor e a possibilidade de upgrades em armazenamento e memórias.

Um dos pontos altos do modelo é seu design 2-em-1, com uma dobradiça que faz o giro de 360º e que pode ser usado como notebook ou como tablet. A tela sensível a toques se sai bem muitas vezes substituindo o touchpad no uso cotidiano, enquanto a caneta (vendida separadamente) é um belo diferencial para quem pretende trabalhar com artes nesse notebook ou, até mesmo no nosso uso que passou longe de desenhar coisas, até mesmo para navegação e uso diário é um acessório interessante.

O ProBook chega com preço inicial de R$ 5.100 na versão com 256GB e Ryzen 3 4300U, e em torno de 400 reais acima disso já está disponível versões com o mais potente Ryzen 5 4500U. O custo não posiciona esse modelo entre os competidores acessíveis, mas considerando o formato conversível e a tela sensível a toques, é uma das opções mais interessantes hoje com essas características. Entre seus poucos competidores há o Ideapad Flex 5i, atualmente equipado com Intel Core de 10ª geração, então melhor esperar a versão atualizada desse notebook para ver uma disputa, especialmente com o salto do Intel Xe na geração Core mais recente.

Assuntos
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Em jogos single-player como Resident Evil Village, você prefere:

Mais vídeos










O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.