Planos de produzir iPad no Brasil afundam mais um pouco

As expectativas pela fabricação de iPads no Brasil terão que esfriar mais um pouco. O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) pode retirar o apoio à Foxconn, que pretendia investir US$12 bilhões no país para instalar uma fÁbrica de gadgets da Apple.

A Foxconn fez vÁrias exigências, como, por exemplo, a ajuda do governo para conseguir recursos. Esse dinheiro viria tanto do BNDES quanto de sócios privados. O problema é que o banco, conforme uma pessoa ligada às negociações, ficou com a impressão de que a Foxconn, ao final, não faria nenhum investimento. Para piorar a situação, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloízio Mercadante, disse nesta semana que as empresas brasileiras não têm fôlego para apoiar o projeto.



Mesmo com a publicação da medida provisória que inclui os tablets na "Lei do Bem", isentando esses produtos de impostos como o PIS/Cofins, a Foxconn ainda não recebeu a licença oficial do governo para iniciar a produção dos iPads por aqui. Ainda falta se enquadrar no Processo Produtivo BÁsico (PPB), que exige que pelo menos 50% das telas de LCD usadas nos processos produtivos devem ser fabricadas no Brasil até 2014.

De acordo com Mercadante, ainda existem duas possibilidades de prosseguir com as negociações: persistir na tentativa de iniciar a fabricação, ainda neste ano, do iPhone e do iPad em Jundiaí, ou instalar no Brasil uma fÁbrica de telas de LDC-TFT com tecnologia que hoje, só estÁ disponível no Japão, Coreia, China e Taiwan.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Qual a sua marca de mouses para jogos favorita? - Pesquisa de Periféricos 2020

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.