Computação em nuvem pode reduzir fortemente gastos com energia e emissões de carbono

Até 2020, grandes companhias americanas que utilizam computação em nuvem podem conseguir uma economia de US$ 12,3 bilhões e reduções anuais de emissões de carbono equivalentes a 200 milhões de barris de petróleo – suficientes para abastecer 5,7 milhões de carros por um ano.

Isto de acordo com um novo estudo do Carbon Disclosure Project, CDP (Projeto de Divulgação de Carbono), "Computação em Nuvem: A Solução de TI para o Século XXI", conduzida pela empresa de anÁlise e pesquisa Verdantix e patrocinada pela AT&T.

De acordo com o estudo, as companhias planejam acelerar a adoção de computação em nuvem de 10 para 69% de seus gastos com tecnologia de informação até 2020.

O estudo mostra que uma companhia que adota computação em nuvem pode reduzir seu consumo de energia, diminuir suas emissões de carbono e seus investimentos em recursos de TI, enquanto aumentam a eficiência operacional.

Stuart Neumann, gerente sênior da Verdantix, comentou: "O estudo também analisou o impacto nos negócios da transferência de uma aplicação negócios essencial – recursos humanos – para a nuvem e mostrou que tal investimento poderia trazer retornos em um ano".


Além do valor agregado previsto, a redução de emissão de carbono de 85,7 toneladas por grandes companhias americanas, a computação em nuvem pode:

· Ajudar usuÁrios a evitar investimentos de capital diretos em infraestrutura;
· Melhorar o tempo de colocação no mercado, uma vez que um novo servidor pode ser criado e colocado online em minutos;
· Fornecer maior flexibilidade, pois, em nuvem as empresas podem pagar pelo uso de capacidade extra apenas quando precisarem;
· Evitar a contínua manutenção da capacidade em excesso necessÁria para se lidar com picos;
· Melhorar a automação que auxilia a lidar com as eficiências de processo.

"Os resultados do estudo formam um poderoso caso para os negócios continuarem a explorar e adotar soluções seguras e flexíveis de computação em nuvem", disse John Potter, vice-presidente, As-a-Service Solutions, AT&T.

Andrew Winston, um dos principais especialistas em negócios sustentÁveis e autor de "Green to Gold e Green Recovery" disse: "encontrar provedores e parceiros que possam fazer parte das operações com consumo de energia e gerenciÁ-las em capacidade compartilhada é bom tanto para as pegadas de carbono da empresa como também para seus resultados".

O estudo sugere que benefícios não financeiros significativos podem ser atingidos com a computação em nuvem, incluindo eficiência de processos de negócio e flexibilidade organizacional. Paul Stemmler, do Citigroup comentou: "Redução de carbono é uma das motivações, mas não a primÁria. A motivação primÁria é o tempo de colocação no mercado. Os desenvolvedores  levavam 45 dias para conseguir novos servidores, mas na infraestrutura interna da nuvem que operamos em nossa própria rede privada, isso leva apenas alguns minutos."

A Verdantix conduziu entrevistas em profundidade com empresas multinacionais – incluindo Aviva, Boeing, Citigroup e Juniper Networks – em diversos setores. Todos os participantes do estudo tinham adotado serviços em nuvem hÁ pelo menos dois anos. Muitas das empresas entrevistadas relataram economia como o motivador primÁrio, com antecipações de reduções de custos de 40 a 50%.

Luis Neves, presidente da Global e-Sustainability Initiative (GeSI), comentou o relatório: "Estamos satisfeitos por fornecer nossa metodologia para esta valiosa e fascinante nova visão dos benefícios financeiros e de sustentabilidade da computação em nuvem."

Paul Dickinson, presidente Executivo da CDP deu boas vindas à liderança em guiar sustentabilidade do setor de TIC : "Um grande percentual do PIB mundial depende de TIC –  é uma questão crítica à medida que separamos o crescimento econômico do de emissões. O potencial de redução de emissões da computação de nuvem é um avanço excitante, permitindo que companhias maximizem o desempenho, diminuam custos, reduzam ineficiência e minimizem o uso de energia – e, portanto, de emissões de carbono –  tudo ao mesmo tempo."

Este estudo segue o lançamento do recente artigo "Criando uma Economia de Comunicação do Século XXI". Unindo ambos os estudos, Dickinson comentou: "A economia de comunicação do século XXI tem o potencial de gerar mais valor econômico com menos impacto ambiental e as companhias de TIC guiarão o caminho".

O relatório completo sobre computação em nuvem pode ser baixado em: https://www.cdproject.net/en-US/WhatWeDo/Pages/Cloud-Computing.aspx.

Assuntos
Tags
  • Redator: Filipe Braga

    Filipe Braga

    Filipe Braga é um cearense extremamente simpático formado em Ciências da Computação e apaixonado por computadores e tecnologia em geral. Também participa de reviews de hardware, especialmente placas de vídeo, processadores e placas mãe.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.