Grupo LulzSec encerra suas atividades

Após quase dois meses de operação, os membros do LulzSec anunciaram o fim dos ataques. A novidade surgiu no Twitter do grupo, que inclui um link para um comunicado oficial. "Nossa jornada planejada de 50 dias terminou", diz a mensagem.

Mas é claro que os crackers não iriam simplesmente ir embora assim. A despedida foi em grande estilo e incluiu um último vazamento de dados, disponibilizado via torrent. No arquivo, conforme a BBC, estão informações aparentemente confidenciais da polícia do Arizona, além de dados retirados de gigantes da comunicação dos Estados Unidos, como a AT&T.


"Nos últimos 50 dias temos causado distúrbio e exposto corporações, governos, muitas vezes a própria população e possivelmente tudo no meio, só porque nós podemos", afirma o comunicado. Apesar do adeus, o grupo reforça o apoio ao movimento AntiSec e espera que a iniciativa "se manifeste em uma revolução que possa continuar sem nós."

Pelo visto, isso estÁ mesmo acontecendo, jÁ que o grupo deixou alguns "frutos", inclusive no Brasil. Por aqui, o suposto braço nacional do LulzSec continua em atividade. No sÁbado, como noticiou o Jornal do Brasil, os crackers atacaram os sites do Ministério da Defesa, da Cultura e da Saúde.

No domingo, o LulzSec Brazil vazou uma série de documentos que eles teriam conseguido através dos sites do Supremo Tribunal Federal e do IBGE. O grupo divulgou ações de pedidos de aberturas de arquivo do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI) e referentes à quebra de sigilo dos militares envolvidos na Guerrilha do Araguaia, além de contra-cheques de funcionÁrios e algumas informações pessoais. No entanto, ainda segundo o Jornal do Brasil, essas informações sequer são confidenciais.

O site do IBGE jÁ havia sido invadido na sexta-feira por um grupo que negou envolvimento com o LulzSec e com o Anonymous. A própria "matriz" do LulzSec, inclusive, também sofreu ataques e chegou a ter o perfil no Twitter e sua pÁgina oficial retirados do ar, também na sexta-feira.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.