Games violentos reduzem a criminalidade, indica pesquisa

Sabe todo aquele papo clichê de que games violentos podem gerar ainda mais violência? Pois é... Ele pode estar bem errado. Os resultados de uma pesquisa desenvolvida na Universidade do Texas, nos EUA, concluiu que, no geral, o acesso a jogos violentos levam a um decréscimo na realização de crimes violentos.


Imagem: Kotaku.com.br


O estudo, citado em um artigo da BBC, analisa a queda da taxa de criminalidade nos Estados Unidos durante os últimos 20 anos. E uma das razões levantadas para essa ocorrência estaria entre elas o aumento no número desses mesmos jogos violentos, jÁ que os jogadores com instintos mais agressivos estariam essencialmente extravasando as vontades violentas do cérebro em um mundo virtual, tornando-os menos agressivos socialmente no mundo real.

A pesquisa, contudo, não elimina possíveis efeitos negativos dos games nos jogadores, ainda que de uma forma positiva. "Apesar de que existirem provas de que jogos violentos possam incitar a realização de agressões, não existem provas de que gerem violência. A exposição prolongada dos jogadores a esse games é que pode ter feito as taxas de criminalidade caírem", concluiu o estudo.

O que isso quer dizer é que, quanto mais os jogadores estão expostos (entretidos) aos jogos eletrônicos (violentos ou não), menos estão propensos a cometer qualquer tipo de delito, jÁ que não estariam pelas ruas cometendo possíveis crimes. Isso é classificado, na verdade, como 'efeito de incapacitação", em que o indivíduo se envolve com uma prÁtica e involuntariamente incapacita outra.


Assuntos
Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

Qual vai ser o melhor game lançado em maio de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.