Smartphones e tablets aliam-se ao exército

O exército americano estÁ em busca de aplicativos para dispositivos móveis, permitindo que os soldados utilizem eletrônicos de consumo nos campos de batalha, uma solução muito mais barata e com rÁpida curva de aprendizagem.

Empresas como a Harris Corporation e a Intelligent Software Solutions (ISS), empreiteiras do PentÁgono, estão desenvolvendo aplicativos militares para Android e iOS.



A primeira prepara um app que permite ao usuÁrio controlar remotamente uma câmera em um Veículo Aéreo Não Tripulado para procurar por armas ou tropas inimigas, utilizando o iPad para visualizar o que for encontrado. JÁ a ISS trabalha em uma solução que, através de iPhones e smartphones Android, avisa ao soldado onde estão ocorrendo bombardeios e combates. Além disso, o aplicativo envia as informações ao centro de comando para auxiliar na tomada de decisões tÁticas.

De acordo com o Computerworld, equipamentos comerciais como esses não foram utilizados no passado por causa de limitações técnicas. Agora, as organizações militares reconhecem que a geração atual de dispositivos tem câmeras e telas boas o suficiente para fornecer informações confiÁveis.

O incentivo para a adoção desses aparelhos fica por conta do seu baixo custo e da fÁcil adaptabilidade. Uma vez que muitos soldados jÁ utilizaram smartphones ou tablets em seu cotidiano, fica muito mais fÁcil treinÁ-los. Além disso, cada aparelho custa entre US$300 e US$800, valor muito inferior comparado aos US$10.000, no mínimo, por cada equipamento militar. Com isso, também fica mais fÁcil e barato substituir utensílios danificados.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.