Trabalhadores da área de TI do estado de São Paulo podem entrar em greve

Sindpd (Sindicato dos Trabalhadores de Tecnologia da Informação) publica aviso de que os trabalhadores de Tecnologia da Informação do estado de São Paulo decretaram estado de greve. O comunicado foi publicado hoje (15/03), na pÁgina C10 do jornal Folha de S. Paulo. A lei de greve determina que 72 horas após a publicação, os trabalhadores podem dar início as paralisações. Desta forma, a partir do próximo dia 18, os profissionais do setor jÁ têm esse direito assegurado.


Trabalhadores filiados ao Sindpb votando a aprovação de greve

No comunicado, o presidente do Sindpd, Antonio Neto, notifica o sindicato patronal e a sociedade de que "foi decretado o estado de greve porque as empresas não aceitam reajustar os salÁrios dos trabalhadores de forma digna, não admitem conceder vale-refeição e tampouco participação nos lucros, resistência que levou os trabalhadores, por meio do Sindpd, a optarem pelo dissídio, remetendo a controvérsia para julgamento do Tribunal".

Além disso, os empresÁrios foram avisados de que, durante o processo de greve, é proibido haver demissões injustificadas e que o Sindpd não farÁ homologações no período. "Na forma do artigo 7º da Lei 7.783/89, durante o movimento de paralisação o contrato de trabalho dos empregados fica suspenso, sendo vedadas rescisões contratuais enquanto não houver acordo ou enquanto não for julgado o dissídio coletivo. Portanto, o sindpd não homologarÁ rescisão de contrato de trabalho que venha a ocorrer a partir de 18.03.2011", afirma a nota.

Segundo o presidente Antonio Neto, as paralisações podem ser gerais ou pontuais nas empresas. "Por isso, os trabalhadores devem ficar atentos aos chamados do sindicato para se apresentarem às comissões de paralisação. Nossa luta não se resume a um aumento salarial digno - o que jÁ seria suficiente - ela compreende também a valorização, dignidade e o respeito que os profissionais de tecnologia da informação merecem".

- Continua após a publicidade -

As decisões favorÁveis a entrar em estado de greve e com o dissídio coletivo na Justiça foram votada por unanimidade pelos trabalhadores em assembleia realizada pelo Sindpd, no último sÁbado (12). A negociação salarial da categoria foi interrompida em janeiro depois de quatro rodadas de debates entre o sindicato patronal e o Sindpd.

As principais reivindicações dos trabalhadores são 11,9% de aumento salarial linear, desenvolvimento de plano de Participação em Lucros e Resultados (PLR), auxílio-refeição de 15 reais por dia e ampliação de pisos. O sindicato patronal oferece reajuste salarial de 6,47%, índice que apenas repõe a inflação, e refuta todas as outras solicitações.

Assuntos
Tags
  • Redator: Gian Kojikovski

    Gian Kojikovski

    Peixe fora d'água, Gian Kojikovski demorou em entrar no mundo da tecnologia. Ganhou seu primeiro computador aos 11 anos mas só foi descobrir como usá-lo aos 13. Desde então, gastou tardes e madrugadas entre os clássicos The Sims e GTA II. É estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina e tem interesse em pesquisas na área de smartphones.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.