Intel investe US$100 milhões em pesquisas universitárias

A Intel Corporation vai inaugurar Centros de Ciência e Tecnologia em diversas universidades dos Estados Unidos ao longo dos próximos cinco anos. O investimento de US$100 milhões vai aumentar em até cinco vezes a quantidade de financiamento disponível da Intel Labs para pesquisadores do país.

Os centros vão priorizar projetos de Áreas tecnológicas que se alinhem com a agenda de pesquisa da Intel, incluindo computação visual, mobilidade, segurança e soluções embarcadas.


A Universidade de Stanford serÁ a primeira a ganhar o seu centro, que terÁ como foco a melhoria das experiências de computação visual para consumidores e profissionais. A recém-lançada segunda geração do processador Intel Core serÁ a principal plataforma de pesquisa e desenvolvimento para os universitÁrios desenvolverem inovações que melhorem a qualidade e a maneira como as imagens são capturadas, criadas, manipuladas ou interpretadas e finalmente reproduzidas para o usuÁrio.

"O ritmo da mudança tecnológica estÁ aumentando. Com este anúncio estamos assegurando o apoio da Intel Labs para que a pesquisa acadêmica seja adaptÁvel e flexível", afirma Justin Rattner, chefe do departamento de Tecnologia da Intel. "A nossa nova estratégia deverÁ nos permitir investir de maneira rÁpida e dinâmica no trabalho acadêmico mais promissor", avalia.

Com a iniciativa, a Intel inicia um novo modelo de colaboração, no qual os novos centros são financiados pela empresa e liderados em conjunto com os pesquisadores universitÁrios, ampliando a quantidade de recursos financeiros disponíveis para as pesquisas. Até agora, a Intel Labs operava centros de colaboração aberta próximos a universidades, sendo que boa parte do financiamento era destinado à operação, manutenção e para as equipes dessas instalações.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.