Créditos: Gorodenkoff/shutterstock

Mercado de peças para PC deve começar a se recuperar, aponta estudo

Retomada já começou se comparado com a situação no ano passado
Por Raphael Giannotti 14/07/2021 15:45 | atualizado 14/07/2021 15:45 Comentários Reportar erro

A Jon Peddie Research (JPR), empresa de pesquisa especializada em tecnologia, mostra em seu novo estudo que o mercado de hardware para PC deve começar a se recuperar logo. A pesquisa leva em consideração a venda de computadores high-end e periféricos usados para se jogar em um PC. A recuperação em relação ao ano passado (2020) já é notável de acordo com o gráfico da JPR.

Comparado a 2020, a recuperação este ano é significativa, inclusive sendo a maior, de acordo com a estimativa até 2024, ano em que o valor injetado no mercado pode até dobrar em relação ao ano passado. O estudo da Jon Peddie Research mostra que entre os anos de 2022 e 2023 deve haver uma estagnação (ou equilíbrio) no mercado.

"Gamers com orçamento mediano não conseguem comprar o que precisam, e novos adeptos aos PCs para jogos podem estar desistindo do hobby", aponta a JPR. Segundo a empresa, essa novas pessoas que decidem aderir a uma determinada plataforma são muito importantes para a saúde a longo prazo daquele ecossistema de jogos.

Outra situação que cresceu é o fato de muitos lojistas dependerem de importação, principalmente por conta da pandemia. Ted Polla, analista senior da JPR, diz que isso deve mudar. "As empresas de hardware para PC estão revendo suas estratégias Just-in-Time (que diz respeito a produção de acordo com a demanda, de forma rápida e sem necessidade de estoques) e começando a adotar o modelo Just-in-Case focado em estoques. Como resultado, esperamos que os estoques e vendas de produtos high-end cresça dramaticamente nos próximos anos".

- Continua após a publicidade -

Ted Polla diz, ainda, que "monitores ultrawide e 4K estão disponíveis no varejo e lojas online por preços historicamente baixos. Isso ajuda a aumentar a demanda por CPU e GPU, montagem completa de PCs e venda de acessórios para os gamers". Jon Peddie, presidente da JPR, diz que "a demanda reprimida que resultou em altos preços será ajustada nos próximos anos". 

"Placas de vídeo high-end mantém bem o preço sugerido pela fabricante e podem ser vendidas como intermediárias por anos depois da produção", complementa Jon Peddie. Para ele, isso deve encorajar os fabricantes a terem estoques de peças de alto desempenho para prevenir o que aconteceu desde a explosão da pandemia.

A situação no mercado de hardware desde o início da pandemia do COVID-19 pode ser considerada a pior da história, seja por falta de suprimentos necessários para a fabricação de componentes ou a mineração de criptomoedas que só vem crescendo, além do mercado de usados que ganhou força, mesmo com preços inflados, já que encontrar peças novas pelo preço "normal" de mercado está difícil.

- Continua após a publicidade -

É importante ressaltar que a pesquisa considera valores em dólares, além de levar em consideração o mercado internacional como um todo. Sabemos que, mesmo com alguma mudança positiva no mercado, seja pela desvalorização das criptomoedas ou empresas voltando a ter suas produções normalizadas, demoramos para ver os efeitos em nosso país.

Asus GeForce RTX 3080 da série Gundam estão sendo vendidas em rigs de mineração

Asus GeForce RTX 3080 da série Gundam estão sendo vendidas em rigs de mineração
Modelos de edição limitada inspirada no anime são cobiçadas por não terem limitação de LHR

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Via: TechPowerUp
Assuntos
Tags
  • Redator: Raphael Giannotti

    Raphael Giannotti

    Entusiasta de JRPG, viveu a era de ouro do gênero nos anos 90. Fã incondicional de Zelda e Final Fantasy, hoje garimpa as bibliotecas de PC em busca de jogos épicos como esses. Enquanto não acha, zera tudo (ou quase) o que vê pela frente. Hobby atual: jogar o máximo de souls-like e metroidvania. Jornalista formado pela UFMA, gamer desde 1991.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.