Créditos: Divulgação: Intel

Intel Ponte Vecchio vai usar módulos OAM e resfriamento líquido

O monstro de 47 componentes combinados vai precisar de resfriamento robusto

A galera do Igor's Lab teve um acesso aprofundado à próxima tecnologia de supercomputação da Intel, codinome Ponte Vecchio. Essa peça de engenharia de microchips é composta por diferentes módulos com dies de 7nm, 10nm ESF e até tencologia 7nm (ou 5nm) da TSMC, tudo unificado em um empacotamento da tecnologia Intel Foveros 3D.

A postagem do Igor's Lab mostra a estrutura de resfriamento do Intel Ponte Vecchio, e como é de se esperar, um chip incrivelmente complexo com a GPU Intel Xe HPC 2-Tile vai exigir muito resfriamento. Para isso felizmente a Intel não vai "reinventar a roda", e a montagem dessa GPU será feita através de um módulo OAM. Essa especificação já é um padrão da indústria, tanto que é a mesma utilizada pela rival AMd em produtos como o AMD Instinct MI200.

Essa montagem deve ser combinada com o resfriamento líquido, porque as estimativas do Igor's Lab é que cada chip Ponte Vecchio pode dissipar 600 watts ou até mais. Colocando em perspectiva, uma RTX 3090 tem um TDP de 350W, enquanto um processador de 16 núcleos Ryzen 9 3950X dissipa 105W.

- Continua após a publicidade -

 

Pra quem ficou curioso o que são esses 47 chips que compõem esse chip, o próprio Raja koduri já descreveu essa quantidade impressionante de componentes:

Além do hardware, a Intel também tem uma estratégia em software para sua nova geração de produtos para supercomputação: a inciativa oneAPI. Ela incluí tanto especificação abertas da indústria quanto ferramentas beta da Intel. As especificações incluem linguagem direta de programação, APIs robustas e interface com hardware de baixo nível. A aplicação beta da Intel oferece um portfólio amplo de ferramentas para desenvolvedores que inclui compiladores, bibliotecas e analisadores, integradas em um único kit de desenvolvimento. 

- Continua após a publicidade -

A Ponte Vecchio já está confirmada como a tecnologia do Centro de Supercomputação de Leibniz, que receberá as CPUs Sapphire Rapids, assim como as GPUs Ponte Vecchio, baseada na arquitetura Xe-HPC. O chip do Intel Ponte Vecchio vai ser um dos mais complexos produzidor até hoje. É esperado que ele comece a ser disponibilizado a partir de 2022.

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Os jogos mais aguardados do segundo semestre de 2021

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.