Créditos: Dilvulgação | Intel

CEO da Intel acredita que irá demorar vários anos para normalizar produção de chips

Pat Gelsinger afirma que a pandemia prejudicou ainda mais a já complicada demanda por semicondutores
Por Guilherme Pinheiro 31/05/2021 19:35 | atualizado 01/06/2021 00:09 Comentários Reportar erro

Pat Gelsinger, CEO da Intel, durante um evento online, afirmou que a grande demanda por chips, principalmente com o advento do isolamento social e das medidas restritivas que inúmeros países enfrentaram no último ano, resultou em um período de escassez que ainda pode demorar vários anos para normalizar.

Este assunto não é novidade para quem acompanha notícias sobre hardwares. A situação é tão crítica que não afetou apenas o mercado de peças para computadores domésticos, como também foi sentida até mesmo na produção de novos automóveis.

Com o considerável aumento da necessidade de consumir semicondutores; contudo, somando com os problemas enfrentados em um período tão conturbado, Gelsinger afirma que, mesmo com as medidas adequadas para mitigar a situação, muitas dessas ideias são mais efetivas para os problemas a curto prazo.

Para normalizar completamente a produção, ainda deve demorar mais tempo. A Intel investiu por volta de 20 bilhões de dólares, em março deste ano, para ampliar a sua capacidade de produção de novos chips.

Ou seja, com o aumento explosivo de novos equipamentos e tecnologias que precisam de chips para funcionarem, um cenário que já seria desafiador, sem todos os problemas criados pela pandemia, foi dificultado ainda mais devido aos aumentos de demanda originados pela necessidade de utilizar produtos eletrônicos nos dias de hoje.

- Continua após a publicidade -

Locais que antes funcionavam apenas presencialmente, como escolas e universidades, agora estão enfrentando uma realidade que não apenas precisam se preocupar em capacitar os seus profissionais a utilizar corretamente novas tecnologias, afinal, também devem se preocupar se, em primeiro lugar, irão conseguir comprar os produtos necessários para viabilizar essa abordagem de ensino a distância.

Além do exemplo acima, empresas que antes não ofereciam serviços online estão se reinventando, possibilitando assim a disponibilização de novas opções para os seus clientes.

Sendo assim, o ponto de vista de Gelsinger pode ajudar a entender um pouco mais sobre as táticas que estão sendo adotadas por grandes empresas, como a Intel, para enfrentar dificuldades que não poderiam ser totalmente previstas anteriormente.

Fonte: techpowerup.com
  • Redator: Guilherme Pinheiro

    Guilherme Pinheiro

    Formado em jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS) em 2019. Fã de videogames desde os 6 anos de idade, sendo o seu hobby preferido desde então. Passou por diversas gerações de consoles, do NES até o PlayStation 5.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.