Créditos: Dilvulgação | AMD

Lisa Su, CEO da AMD, compartilhou o seu ponto de vista sobre a escassez de chips

A executiva não aparenta estar muito preocupada com a situação
Por Guilherme Pinheiro 21/05/2021 17:43 | atualizado 21/05/2021 17:44 Comentários Reportar erro

O fato de estarmos passando por um período de escassez mundial, principalmente quando o assunto é sobre a produção de equipamentos modernos, não é novidade para ninguém. Por meio de uma entrevista para a imprensa internacional, a CEO da AMD, Lisa Su, porém, afirmou que este é apenas um "megaciclo" que a indústria de semicondutores está passando.

E complementou:

Em alguns momentos, a oferta é muito maior do que a demanda, e em alguns momentos, a demanda é muito maior do que a oferta. E este ciclo é especial, porque estamos observando a demanda inacreditável de todas as coisas que precisam de chips.

Ou seja, apesar de reconhecer que realmente estamos passando por épocas complicadas, a empresária acredita que o ciclo que estamos vivenciando é algo que poderá ser contornado com o devido cuidado e gerenciamento.

Ainda na entrevista para o site Bloomberg, respondendo sobre um hipotético cenário que a AMD poderia enfrentar futuramente, com desequilíbrios gerados após a escassez atual, e pudesse acabar produzindo mais equipamentos do que o mercado demandasse (excesso de oferta), ela concluiu :

"Na AMD, nós escolhemos os mercados que acreditamos ser muito resilientes. Todo mundo irá precisar de mais computação neste ano [2022, 2023]. Nós achamos que a computação é uma daquelas tendências que você irá precisar mais ainda. Então, nós estamos investindo nessas áreas.

Na minha visão de mundo é importante ter os produtos corretos, assim como também é importante fazer parte dos mercados corretos. E então, claro, ter um bom desempenho ao longo do caminho."

Em janeiro deste ano, na CES (Consumer Electronics Show), a CEO demonstrou a mesma atitude ponderada quando questionada sobre assuntos similares. Sua presença é esperada novamente na Computex 2021, que acontecerá em junho.

- Continua após a publicidade -

O CEO da Intel, Pat Gelsinger, em outras ocasiões, afirmou a escassez atual deve durar por volta de mais dois anos. Além de ter afetado diretamente a produção de componentes que são utilizados em computadores domésticos, o impacto é sentido até mesmo em montadoras de veículos, como a Ford, Volvo e a Mitsubishi Motors.

Fonte: Bloomberg, tomshardware.com
Assuntos
Tags
amd
  • Redator: Guilherme Pinheiro

    Guilherme Pinheiro

    Formado em jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Fã de videogames desde os 6 anos de idade, sendo o seu hobby preferido desde então. Passou por diversas gerações de consoles, do NES até o PlayStation 5.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.