Créditos: Divulgação: arm

Arm apresenta arquitetura Armv9, após uma década sem novidades em arquitetura de chips

Segurança, IA e SVE2 são os pilares da nova arquitetura que promete entregar pelo menos 30% de aumento na performance
Por Luiz Schmidt 31/03/2021 17:28 | atualizado 31/03/2021 17:28 Comentários Reportar erro

Foi em outubro de 2011 que a Arm, lançou a arquitetura Armv8, amplamente utilizada em smartphones e computadores. Hoje (31), quase 10 anos depois, durante o evento Arm's Vision Day, a empresa anunciou os primeiros detalhes da nova arquitetura Armv9.

Conheça a arquitetura Arm

Estabelecendo a base para o futuro da empresa, que espera produzir 300 bilhões de chips na próxima década. A nova arquitetura deve resultar em pelo menos 30% de aumento de performance, pelas próximas duas gerações de chips.


Durante evento, empresa apresentou seus planos para a nova arquitetura durante a próxima década (Créditos: Arm)

A arquitetura Armv8 se tornou o pilar para chips de smartphone e computadores. Segundo a ARM, os chips da empresa atingem cerca de 70% da população mundial. Simon Segars, CEO da ARM, comenta que logo 100% dos dados compartilhados pelo mundo serão processados em Arm, seja num dispositivo smartphone, computador, cloud, ou na rede.

Por isso, o CEO afirmou durante a apresentação que a nova arquitetura tem foco em oferecer maior performance e segurança. "Estamos animados para compartilhar com vocês a visão da Arm sobre a próxima década da computação", comentou Segars.

- Continua após a publicidade -

Os três pilares da nova arquitetura são: segurança, IA e SVE2 (Scalable Vector Extensions). O SVE2 adiciona vários recursos SIMD (Single Instruction Multiple Data) modernos, além de possuir tamanho de vetor variável de 128b a 2048b. Do ponto de vista da programação, isso significa que um desenvolvedor pode compilar seu código uma vez e utilizar em diversos designs, o que é importante para a Arm, pois a empresa busca atingir CPUs de mobile até data centers.


(Créditos: Arm)

O SVE2 se apresenta como uma vantagem ao x86, por exemplo, onde dependendo do tamanho do vetor, é necessário implementar novas extensões ou instruções.

A arquitetura Armv9 introduz o Confidential Compute Architecture (CCA), que protege dados e códigos de serem acessados ou modificados durante uso. Além disso o CCA também protege dados comercialmente sensíveis ao criar mundos dinamicamente (Realms no original em inglês) que isolam os dados do restante do sistema.

- Continua após a publicidade -

No ano passado e Nvidia adquiriu a ARM por US$40 bilhões, transação que ainda aguarda aprovação por parte de órgãos reguladores.

Brian Kelleher, vice presidente senior de engenharia de hardware da NVIDIA, afirma que com a nova arquitetura Armv9 será possível realizar feitos computacionais inimagináveis. "Vemos enorme potencial para trazer a força do IA a fundo no gaming, veículos autônomos, data centers e sistemas embutidos. Através da nossa colaboração com a ARM, estamos ansiosos para utilizar o Armv9 e produzir possibilidades inimagináveis na computação", comentou Kelleher.

Fonte: Videocardz, Venturebeat, AnandTech
Tags
  • Redator: Luiz Schmidt

    Luiz Schmidt

    Estudante de jornalismo na UFSC. Amante de games, anime, manga e cultura japonesa. Gosta de escrever histórias de horror nas horas livres e sonha em publicar um livro.

Com o GeForce Now e o xCloud surgindo como opções, qual seu plano a médio prazo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.