Créditos: Divulgação // Nvidia

Empresas temem restrições de licenciamento com aquisição da ARM pela NVIDIA

Acordo afetaria principalmente Qualcomm que utiliza arquitetura ARM em seus CPUs Snapdragon
Por Daniel Trefilio Carvalho 15/02/2021 13:10 | atualizado 15/02/2021 13:10 Comentários Reportar erro

Aquisição da ARM por US$ 40 bilhões pela NVIDIA é alvo de críticas e levanta dúvidas sobre mudança no sistema de licenciamento das arquiteturas de chips da empresa.

A maioria esmagadora dos dispositivos móveis de mundo, independente da fabricante, vêm equipados com processadores ARM, e um dos principais motivos, além da eficiência térmica e energética da arquitetura RISC (do inglês Computador com um conjunto reduzido de instruções), é o formato de licenciamento da arquitetura utilizado pela empresa, que garante que cada fabricante faça seus próprios processadores baseados nessa arquitetura

Gigantes como Qualcomm, Samsung Eletronics, Intel, Apple e NVIDIA, todas utilizam arquitetura ARM em diversos de seus produtos, a grande maioria em smartphones como os CPUs Samsung Exynos e Qualcomm Snapdron, mas recentemente a Apple introduziu os processadores M1 para laptops e desktops, que apesar de utilizar apenas o conjunto de instruções sem os núcleos ARM, já representa uma alternativa aos modelos baseados x86 de Intel e AMD, que praticamente dominam esse mercado.

A versatilidade da arquitetura é trunfo importante para o aumento da concorrência no segmento de CPUs, e vem se mostrando eficiente também em computadores de mesa e laptops, contudo a possível aquisição da empresa pela NVIDIA pode colocar em risco o modelo de licenciamento prejudicando diversos mercados.

- Continua após a publicidade -

Desde setembro de 2020 o acordo ainda sob análise por órgãos reguladores antitruste entre a Nvidia e a SoftBank Group, detentora das ações da ARM, vem causando desconforto entre as empresas que utilizam a arquitetura em seus designs de SoCs, como Qualccom que utiliza a arquitetura em seus processadores, Google e Microsoft também estariam desenvolvendo seus próprios modelos de CPU ARM. 

Apesar de Jensen Huang, CEO da NVIDIA, alegar que gigante das placas gráficas não possui interesse em minar ou restringir o modelo de licenciamento aberto da ARM, tendo interesse apenas em ampliar suas investidas em inteligência artificial visando o mercado de carros autônomos é pouco provável, segundo a concorrência, que após uma oferta de US$ 40 bilhões a NVIDIA não sofreria pressão para fazer uso da detenção de direitos sobre a ARM para se favorecer, criando uma concorrência desleal.

- Continua após a publicidade -

A Comissão Federal de Comércio está analisando o caso de perto, tendo solicitado mais informações sobre o acordo tanto da NVIDIA quanto a ARM, além de possivelmente estar em contato com outras empresas que possam ter informações relevantes na tentativa de se certificar que a NVIDIA não terá poder demais sobre o mercado de fabricação de chips

Fonte: Gizmochina, The Verge
  • Redator: Daniel Trefilio Carvalho

    Daniel Trefilio Carvalho

    Formado em Letras pela Universidade Estadual de Campinas, professor, tradutor e revisor. Nas horas vagas, instalando impressora e formatando PCs desde os tempos que Alone In The Dark era um jogo bom e ocupava 4 disketes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.