Créditos: Divulgação // Eletronic Arts

EA anuncia Full Circle como estúdio responsável pela franquia Skate

Estúdio de Vancouver está em processo de contratação para diversas vagas de produção e gestão

Após a designação pela Activision da Vicarious Visions como subsidiário exclusivo para trabalhar em títulos da Blizzard, os fãs de jogos de skate acreditaram que o sonho de um novo título realmente de qualidade para os reis de Dogtown digitais estava cada vez mais longe.  Apesar desse sonho tecnicamente não estar muito próximo de se realizar, a Eletronic Arts dá uma pontinha de esperança com o anúncio do estúdio Full Circle como responsável por trabalhar no próximo título da franquia Skate.

Ainda que Tony Hawk’s Pro Skater e Skate sejam franquias com propostas muito diferentes, uma vez que THPS é um jogo mais arcade, acessível a um publico mais amplo, e Skate tenha um foco maior no elemento de simulação, é reconfortante saber a EA está buscando diversificar seu catálogo de jogos para além do “arroz com feijão” dos últimos anos, mesmo que não seja através de uma IP nova, mas trazendo de volta uma franquia tão amada quanto Skate.

O estúdio Full Circle, localizado em Vancouver, é chefiado por Daniel McCulloch, antigo gerente geral da Xbox Live, e tem a frente da chefia criativa de Skate (4?) Deran Chun e Chris “Cuz”Parry, dupla considerada parte essencial para o desenvolvimento dos três títulos originais da franquia.

- Continua após a publicidade -

O site do estúdio está divulgando amplamente contratações para diversas posições, tanto de gerência quanto desenvolvimento, portanto não é possível precisar quando o novo título da franquia será lançado, mas é seguro assumir que não será num futuro próximo.

A prática de reviver franquias aclamadas como THPS, Skate, Crash Bandicoot, e revisitar tantas outras não é exatamente fugir das fórmulas carimbadas que vêm se repetindo a exaustão na indústria dos games, mas ao menos, por ter consigo o apelo da nostalgia, pode levar cada vez mais estúdios e produtoras maiores a arriscarem produzir títulos que testem outras fórmulas com projetos de menor orçamento, em vez de tentar a todo custo emplacar títulos milionários que se copiam ou reimprimir os mesmos jogos “AAA” ano após ano apenas mudando a capa e atualizando os gráficos.
 

Via: PC Gamer
Tags
  • Redator: Daniel Trefilio Carvalho

    Daniel Trefilio Carvalho

    Formado em Letras pela Universidade Estadual de Campinas, professor, tradutor e revisor. Nas horas vagas, instalando impressora e formatando PCs desde os tempos que Alone In The Dark era um jogo bom e ocupava 4 disketes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.