Intel Ivy Bridge promete acabar com VGAs de baixo custo

EstÁ circulando pela a web um rumor que promete sacudir a indústria dos chips grÁficos. Ao mesmo tempo em que se trata de algo bastante interessante para o mercado consumidor, pode ser uma verdadeira bomba para AMD e NVIDIA.

De acordo com supostas fontes ligadas à Intel, a geração seguinte de processadores com GPUs integradas (APUs) ao Sandy Bridge - codinome Ivy Bridge - deverÁ prover uma performance 3D sem precedentes ao segmento. O "pulo do gato" estaria em um dos campos mais improvÁveis: na tecnologia de encapsulamento do chip.

O grande segredo da futura geração de APUs da Intel estarÁ na construção dos chips, com a presença de um insersor de silício juntamente com o uso de DRAM empilhada sob o substrato térmico. Embora tal memória não seja as das mais rÁpidas do mercado (LPDDR2), a Intel iria abusar da quantidade. Fala-se em algo como 1GB para os modelos tops de linha.

O insersor de silício é um pedaço muito fino de silício, e com um pequeno número de camadas de metal, possivelmente apenas uma, que serve como meio de ligação entre a memória integrada e o die do processador. Por ser uma camada extremamente fina, é particularmente interessante para se manter os custos de produção de uma VGA baixos.

- Continua após a publicidade -

Atualmente, as GPUs das placas grÁficas utilizam memórias DRAMs externas, devido a limitação na quantidade de camadas necessÁrias para a VGA. Mais camadas significam mais custos e uma maior taxa de defeitos.

Com o insersor de silício, além de reduzir os custos de produção e complexidade da GPU, cria-se um ambiente muito mais eficiente para a inter-comunicação dos dados.

JÁ a memória empilhada é quando se empilha uma grande quantidade de núcleos de memória sobre outros. A título de curiosidade, um cartão de memória SD de alta performance é basicamente utiliza-se desse princípio.

Devido a questões de limitações técnicas da tecnologia de empilhamento, ainda não foi possível o uso de memórias mais modernas, como, por exemplo, das DDR3. O JEDEC, órgão responsÁvel pela padronização das memórias, trabalha com novas especificações, mas em virtude do tempo, muito dificilmente novas opções chegarão a tempo para o lançamento dos Ivy Bridges.

Outro trunfo no uso de tal tecnologia estÁ no barramento de memória. De acordo com tais fontes, a futura geração de APUs da Intel contarÁ com um impressionantes bus de 512 bits! Mesmo as LPDDR2 rodando 1066Mhz, a largura de banda dos Ivy Bridges é equivalente a de uma Radeon 5770.

Assuntos
Tags
  • Redator: Filipe Braga

    Filipe Braga

    Filipe Braga é um cearense extremamente simpático formado em Ciências da Computação e apaixonado por computadores e tecnologia em geral. Também participa de reviews de hardware, especialmente placas de vídeo, processadores e placas mãe.

Qual os planos para hardware esse ano?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.