Créditos: Divulgação/Asus

Intel passará a permitir overclock nas futuras placas-mãe com chipsets intermediários

Além disso, foi confirmado que os novos processadores Rocket Lake serão compatíveis com as atuais placas-mãe da série 400

Recentemente, a Intel apresentou oficialmente os primeiros detalhes da 11ª geração de seus processadores Intel Core, com a chegada dos novos Rocket Lake S-Series. Trazendo finalmente uma nova arquitetura, chamada de Cypress Cove, além da chegada dos gráficos baseados em Xe, outras novidades interessantes também serão introduzidas com essa nova linha.

Com a introdução dos processadores Rocket Lake, a Intel também confirmou para o site PCGamer que permitirá no futuro que as novas placas-mães das linhas mais básicas possam realizar overclock. Antes limitado para placas-mãe com o chipset topo de linha, como as Z490 para as CPUs Comet Lake, a fabricante passará a dar mais opções para seus consumidores que buscam extrair o máximo de desempenho de seus processadores.

Você ainda precisará de um processador da série K para realizar o overclock na CPU!

Apesar dessa notícia, a empresa não trouxe maiores detalhes sobre quais placas ou chipsets ganharão a capacidade de overclock. Como é especulado pelo PCGamer, possivelmente veremos os futuros modelos intermediários baseados na série 500 (B560?) devem ganhar essa novidade em breve.

Processadores da linha Rocket Lake serão compatíveis com as atuais placas-mãe com o chipset da série 400

Outra novidade está ligada a retrocompatibilidade dos atuais modelos que possuem os chipsets da série 400 (vide Z490, B460 e H410). Segundo a Intel, essas placas-mãe serão compatíveis com os novos processadores de 11ª geração, sendo assim, caso a pessoa queira fazer o upgrade de um Comet Lake para um Rocket Lake, não será necessário adquirir uma nova placa-mãe.

- Continua após a publicidade -

Em relação à possibilidade da realização de overclock nos atuais modelos intermediários, a Intel não foi capaz de comentar sobre o assunto. Isso pode ser um indicativo de que isso dependerá de cada fabricantes, que poderá ou não levar essa função para suas placas-mãe.

Essa incerteza se dá pelo fato de que cada placa-mãe produzida pelas fabricantes parceiras da Intel possuírem diferentes projetos, que levam diferentes componentes que são importantes para a realização de um overclock estável, como são os casos dos VRMs. A capacidade desses componentes certamente influenciará em qualquer decisão tomada pelas fabricantes de placas-mãe, onde veremos alguns modelos mais antigos e mais baratos suportarem o overclock e outras não.

Por fim, a Intel comentou também sobre as novidades para aqueles que buscarão realizar overclock nos novos modelos Rocket Lake. Será possível, por exemplo, ajustar as frequências de cada núcleo do processador, configurar as instruções do tipo AVX512, além da possibilidade de ativar ou não as instruções do tipo AVX.

A Intel diz que os novos processadores da linha Rocket Lake, junto com as novas placas-mãe da série 500, desembarcarão no mercado durante o primeiro trimestre de 2021.

- Continua após a publicidade -

Fonte: PCGamer
  • Redator: Pedro Henrique

    Pedro Henrique

    Formado em Informática e tecnólogo em Jogos Digitais, amante de games (principalmente os de corrida), curte uns hardwares e assim como Pink e o Cérebro, buscando o plano para dominar o mundo.

Pra você, quem merece o GOTY?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.