Créditos: GameStop

Dívidas da GameStop alcançam US$ 417 milhões, mas nem tudo está perdido

Apesar de ter dinheiro em caixa, empresa busca estender os pagamentos até 2023 para poder se renovar

A GameStop está com uma dívida de US$ 417,2 milhões, segundo os balanços da empresa. Apesar do volume espantoso e das expectativas negativas com relação às vendas físicas, a gigante do varejo de games e eletrônicos tem dinheiro em caixa para pagar tudo em dia. Podemos dizer, portanto, que não há risco de falência no momento.

Com o vencimento das dívidas em 2021, a GameStop busca agora estender os pagamentos até 2023. Isso permitiria trabalhar com maior flexibilidade financeira, facilitando a adaptação à nova realidade econômica do varejo.

(Créditos: Bloomberg via Getty Images)

A adaptação em questão já vem sendo necessária há anos. Com o crescimento do comércio digital, o varejo vem sentindo a necessidade de possuir espaços físicos extremamente eficientes e de entrar na competição do ecommerce.

A GameStop percebeu isso enquanto ainda tem lucros, inclusive fechando lojas permanentemente. Ainda assim, os tempos de pandemia forçaram a empresa a queimar etapas e acelerar a mudança do modelo de negócio.

- Continua após a publicidade -

E os fundamentos para a renovação da GameStop já estão definidos. Com 4 pilares, a empresa parece adotar postura semelhante a outros varejos e, mais especificamente, a shopping centers. Apostando nas vendas digitais, vendas com maior margem e na experiência das lojas físicas, parece razoável esperar que a gigante escapará de um destino semelhante ao do Blockbuster.

Os pontos fundamentais para a renovação da GameStop são:

  • Otimização do negócio principal - A organização física deve ser reestruturada, otimizando estoque, racionalizando a rede de lojas, reestruturando custos, reduzindo desperdício e adicionando produtos com maiores margens de lucro;
  • Criação de um espaço de experiência -  Se tornando um centro cultural de games e melhorando o sistema de fidelidade, a GameStop pretende atrair os jogadores por si só. Um exemplo claro de como isso vem ocorrendo é a adição de espaços para jogatina na loja. Com consoles nostálgicos e sofás confortáveis, os jogadores podem preferir se divertir lá do que ter uma série de eletrônicos diferentes;
  • Construção de uma plataforma digital - Com a reformulação do gamestop.com, a rede pretende atender seus clientes com uma estratégia omnichannel. Ou seja: as experiências online e física se complementam, e não mais competem entre si;
  • Transformação das parcerias - Construir melhores relações com parceiros pode abrir portas para produtos e serviços mais lucrativos, além de ser uma forma de fidelizar os fãs da marca parceira.

A GameStop avança sobre esses pilares, portanto, para seguir tendências do varejo que foram acentuadas com o isolamento social. Os resultados da empresa mostram o caminho de maneira evidente, com queda de 17% nas vendas físicas já no primeiro semestre e aumento de 519% nas vendas digitais.

Para comandar essas mudanças, a GameStop conta com novos gestores que aparentam ser capazes de pôr tudo em prática. O conselho administrativo da empresa recentemente recebeu 3 novos executivos, todos com currículo de peso.

Via: TweakTown
Tags
  • Redator: Odir Brüggmann Filho

    Odir Brüggmann Filho

Os jogos mais aguardados do segundo semestre de 2021

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.