Tá muito caro! Cadeiras gamer sofrem com preços extraordinários e falta de estoque

Comércios online têm aumentado cada vez mais o valor das cadeiras, mas muitos estão sem receber os produtos há dias
Por Mariela Cancelier 11/06/2020 17:00 | atualizado 11/06/2020 17:00 Comentários Reportar erro

[+Atualização] Atualizamos a matéria com declarações oficiais por parte da DT3sports, incluindo a perspectiva de quando os estoques devem ser renovados.

[+Atualização] Essa não é uma matéria patrocinada.

[Original] Os últimos meses foram um tanto quanto difíceis para quem está em busca de uma cadeira gamer. Não só os produtos sofreram um reajuste de preço extraordinário por causa da alta do dólar, mas também se esgotaram em várias lojas de varejo por conta da pandemia do COVID-19. Hoje, para comprar uma cadeira gamer você precisa ter ou muita sorte, ou muito dinheiro guardado. 

Fórum Adrenaline [TÓPICO DEDICADO] Cadeiras

Entre 2018 e 2019, os valores das cadeiras sofreram oscilações de acordo com o preço do dólar e da demanda por esses produtos. É claro que até então a moeda de referência para importação não tinha chegado a valores tão altos quanto hoje, mas ainda assim ela não influenciou um reajuste fora do normal na época. As cadeiras gamer conquistaram espaço no mercado atraindo consumidores endêmicos, isso é, de fora do universo de games. Atualmente, não são apenas streamers e jogadores profissionais (pro-players) que consomem essas cadeiras. Redações, entusiastas de jogos e até mesmo pessoas que trabalham em escritórios "de casa" utilizam produtos pensados para o nicho específico do mundo dos jogos.

Marcas dependem dos envios da China, que estão com produção limitada devido à pandemia atual

- Continua após a publicidade -

Com a alta procura, é natural que o preço de compra torne-se um pouco mais caro, além de outros fatores gerais de mercado que influenciam o valor do produto. Mas, diferente dos anos anteriores, 2020 não é um bom ano para a compra de cadeiras gamer. Além dos preços chegarem ao impensável, o poder de consumo do brasileiro não aumentou, o que torna inviável investir 50% ou até mesmo 150% a mais em um produto como uma cadeira gamer caso não seja necessário. Clientes que procuravam por uma cadeira gamer no início do ano e continuam na busca, certamente notaram a diferença de preços. 

Reajuste de preços

Vamos pegar como exemplo a cadeira DT3 Sports GTS, da marca DT3sports. Fizemos uma análise do produto em junho de 2016 (vídeo no final do artigo) quando a cadeira custava R$ 799,00. Você pode notar que os modelos mais baratos de todas as marcas possuem quase o mesmo design, isso porque a maioria das empresas (sem citar nomes) utiliza a técnica de rebranding - que é quando o produto já vem pronto, provavelmente da China, e cada marca estiliza a estrutura da cadeira do jeito que quiser. Assim, o valor de produção não impacta muito no valor final.

[+] De acordo com um porta-voz da DT3sports, o principal vilão do mercado atual é o dólar. "Com a instabilidade da moeda [dólar], o custo dos produtos subiu muito. Os estoques que vieram anteriormente com um dólar mais baixo acabaram e as novas importação chegam com um custo muito alto", explicou. 

- Continua após a publicidade -

Essas cadeiras não tiveram um aumento de preço tão extraordinário quando as cadeiras mais sofisticadas. Hoje, uma DT3 Sports GTS está custando em média R$ 999,00 em lojas online tradicionais como Americanas e Submarino, mas chegando a valores mais em conta em e-commerces de informática e gaming, como Pichau e KaBuM!.

O aumento de preço não afetou tanto as cadeiras que já eram mais baratas, mas ainda assim é um valor significativo se compararmos com os preços de 2019. Abaixo, o gráfico de oscilação de preços da Cadeira Gamer Mymax Mx1 Giratória Preta/Azul, do site Americanas. Em 06/08/2019 a cadeira chegou ao menor preço de R$ 449,10. Menos de um ano depois, em 08/06/2020, o valor atingiu o pico de R$ 749,00. Tendo esse exemplo como referência, o modelo em questão sofreu um aumento de quase 67% em menos de um ano.

O próximo gráfico aponta a variação de preço da Cadeira Gamer Profissional Tgc12 Preta Thunderx3 no site Americanas. Esse é um modelo considerado como "um pouco melhor do que o anterior", já que possui espuma, estrutura e acabamento de melhor qualidade. No dia 20/08/2019 a cadeira chegou ao seu valor mais barato de R$ 746,72 - ainda assim, acima do valor mais alto da MyMax MX1. Em 08/06/2020 a cadeira chegou ao seu maior preço: R$ 1.899,90, um aumento de mais de 154% em menos de um ano.

O motivo para utilizar a loja Americanas para comparação é porque usamos a extensão Economize! do Mundo Conectado para acompanhar os preços. Não são todas as lojas que disponibilizam dados para monitoramento de preços, então é difícil saber a porcentagem exata de variação nos e-commerces de informática e games. Apesar disso, a tendência desses comércios é seguir o reajuste natural do mercado, então os dados não são muito diferentes de um lojista para outro. 

Por experiência própria, posso afirmar que os e-commerces também passaram por esse reajuste no último mês. Verifiquei constantemente os sites da DT3, KaBum! e Americanas para comprar uma cadeira. Ainda na semana passada, o modelo da cadeira Tgc12 Thunderx3 custava cerca de R$ 1.200 (hoje R$ 1.899). No site da KaBuM!, as cadeiras Husky Blizzard (exclusivas do site) custavam cerca de R$ 1,100 (hoje R$ 1.359). Já no site da própria DT3, cadeiras do modelo Pandora saíam por cerca de R$ 1.200 à vista (hoje R$ 1.394,91 à vista). Obviamente, esses preços aumentaram ainda mais em sites de revenda. Uma DT3 Pandora no KaBuM!, por exemplo, está custando mais de R$ 1.500.

Em menos de um ano, o preço das cadeiras gamer aumentaram, pelo menos, 67%

Todas as marcas aplicaram mudanças no valor dos produtos, mas como a DXRacer e DT3 são marcas de cadeiras famosas no Brasil, entramos em contato com as equipes para saber mais sobre o cenário atual. Gustavo Marinho, Diretor da DXRacer Brasil (Gustavo Marinho | Linkedin), disse que "os reajustes da DX Racer "foram muito aquém da variação cambial e parte foi absorvido por toda a cadeia". O que significa que os produtos poderiam estar ainda muito mais caros no cenário atual.

[+] Recebemos finalmente uma resposta sobre o ajuste de preços por parte da DT3. "Temos trabalho com o canal de distribuição no qual também buscamos estabilidade de preços, checando e punindo quando casos excessivos de aumento acontecem", declarou um porta-voz da empresa. 

A marca chegou a ser questionada por clientes em seu perfil do Instagram (@DT3Sports). Confira a resposta na captura de tela abaixo:

[+] Também entramos em contato com a ThunderX3 Brasil, já que seus produtos também tiveram um aumento incrível no preço final. Modelos de menos de R$ 1.000 estão sendo vendidos em sites de comércio online por mais de R$ 1.600. Apesar da tentativa de falar com a empresa, não obtivemos resposta.

Falta de estoque

Ainda se você conseguir achar um modelo por um bom preço, vai ser difícil comprá-lo. Ao que parece, os estoques das cadeiras mais baratas continuam existindo, mas cadeiras diferentes e com especificações um pouco melhores estão em falta no mercado. Mencionada no caso anterior, o modelos DT3 Pandora está em falta no site oficial da marca. Em sites de revenda como Amazon e KaBuM!, a compra dessa mesma cadeira é inviável caso o cliente não esteja disposto a pagar acima do preço. 

"Certamente não foi um aumento esperado ou provisionado nos nossos forecasts. A procura foi subindo semana após semana conforme as pessoas começavam a migrar para trabalhar de casa. Houve um aumento de procura de forma bem generalizada, muita gente de casa, muita gente que não se preocupava com ergonomia no ambiente particular. Atualmente temos algumas cadeiras em estoque da nossa última importação e a SPIDER que foi lançada em maio de 2020", explicou um porta-voz da DT3sports.

Muitas lojas não informam a falta de estoque até o momento da compra

O site oficial da DXRacer também está com vários modelos em falta. Outros modelos já citados como a Husky Blizzard também estão fora de estoque no KaBuM! A tgc12 da ThunderX3 também aparece como indisponível para compra em várias lojas de revenda, apesar de estar sendo vendida acima do preço na Amazon. 

 

É claro que por conta da pandemia do COVID-19, muitas empresas não estão fazendo entregas por medida de segurança e saúde. Mas quando se trata de e-commerces... a paralisação do transporte é normal? Até agora, o setor de compras online cresceu pela necessidade de receber produtos em casa. Então, o problema deve ser falta de estoque, e não falta de serviços de transportadora, não é mesmo?

A busca por "cadeira para home office" aumentou em 280% na pandemira, segundo análise

A Decode, empresa de data analytics do BTG Pactual, fez uma pesquisa intitulada "O Legado da Quarentena para o Consumo". Os dados indicaram que as pessoas buscaram por formas de adaptarem suas casas a um ambiente de trabalho. A busca por ‘cadeira para home office’, por exemplo, aumentou em 280%.

A falta de estoque muitas vezes não é mencionada pela loja de revenda. Sites de venda que não são focados em gaming e informática como Submarino, Americanas, Magazine Luiza e Ponto Frio, por exemplo, possuem cadeiras gamer à venda, mas não conseguem entregar o produto porque a loja publicadora do anúncio não possui as cadeiras desejadas. Muitas vezes, a falta de estoque não é informada pela loja, e quando a compra é solicitada o cliente se depara com o aviso "não entregamos nesse CEP".

Nas capturas de tela abaixo, tentamos comprar cadeiras para dois CEPs diferentes: Florianópolis (SC) e São Paulo (SP). São Paulo conta com diversos centros de distribuição de produtos, então é natural que seja possível a entrega de cadeiras nessa região. Enquanto Florianópolis, no sul do Brasil, poderia sofrer com falta de entregas. Mas ambos os endereços não podem receber entregas de cadeiras, e o motivo não é explicado. 

É claro que, em alguns casos, o envio de cadeiras é possível. Por exemplo, modelos mais baratos (como já citado no início da matéria) parecem ter um estoque maior em comparação com modelos mais caros. A mesma loja que anteriormente não fazia entrega de modelos mais caros por conta do CEP, de alguma maneira consegue enviar outra cadeira mais barata para o mesmo endereço. Esse é mais um caso de falta de estoque não informado. 

 

No caso abaixo, a falta de estoque é explícita:

 

O motivo da falta de estoque não é apenas graças ao aumento da procura por cadeiras gamer. Por causa da pandemia, muitas fábricas na China foram afetadas e tiveram suas atividades reduzidas, o que afetou o envio de cadeiras para diversos países, incluindo o Brasil. Ainda de acordo com Gustavo Marinho, Diretor da DXRacer Brasil: 

"No nosso caso tivemos uma elevação da demanda e limitação na capacidade de produção/renovação na China. A fábrica estava com efetivo/produção parcial por causa da pandemia. Acredito que outras marcas estão esgotadas e sem previsão de renovação por outras razões como variação cambial, elevação da inadimplência de lojas fechadas, dependência de fábricas OEM (somos os únicos com mais de 1000 funcionários e fábrica própria/exclusiva)."

A previsão de renovação não tem data certa, e várias empresas estão dependendo dos envios das fábricas da China

Tanto a DX Racer quanto a DT3 prometem renovação dos estoques "em breve". "Nossos estoques serão renovados em breve e inclusive lançaremos muitos novos produtos no meio da crise", declarou o diretor da DXRacer no Brasil.

[+] "A partir do mês de junho nosso estoque começa a ser reposto e voltar ao normal. [...] Fora isso, as datas podem sofrer com atrasos em transbordo de navio ou porto, Receita Federal, tempo de chegada nos nossos galões nos diferentes estados do Brasil, etc", declarou a DT3sports.

Confira aqui a playslist de vídeos de cadeiras gamer no canal Adrenaline.

Análise DT3 Sports GTS:

DxRacer R-Series Adrenaline - Uma cadeira gamer no estilo Adrenaline! Confira:

Impressões da cadeira gamer Pichau Fantail:

 

 

Tags
  • Redator: Mariela Cancelier

    Mariela Cancelier

    Mariela é jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina e gosta de jogos de luta e MOBAs. Foi estagiária do Adrenaline e Mundo Conectado e atualmente é redatora freelancer em ambos os sites.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.