Créditos: SiPearl

SiPearl assina acordo com a ARM para começar a produção de CPUs

Os processadores serão voltados para projeto da Comissão Europeia

Segundo uma nova publicação da AnandTech, a SiPearl anunciou recentemente que assinou um grande acordo com a gigante de semicondutores ARM. Isso indica que e empresa francesa vai começar a usar o ARM IP (Zeus Neoverse CPU), para o desenvolvimento de um novo conjunto de CPUs, sendo elas: Rhea, Chronos e outro modelo que ainda não tem um nome revelado.

A SiPearl tem apoio da Comissão Europeia para a fabricação de CPUs próprias. Ela faz parte do projeto European Processor Initiative (EPI). O principal objetivo é desenvolver um microprocessador de alto desempenho e baixo consumo de energia, que será usado no primeiro supercomputador exascale da Europa.

Caso a empresa consiga desenvolver o microprocessador, ela pode comercializar opções para o mercado. Entrando assim, em competição direta com AMD e Intel. Até o momento, as duas empresas competem diretamente entre si, mas parece que a indústria está começando a expandir esse cenário.

A Amazon também já anunciou o desenvolvimento do Graviton 2. Assim, ela poderia se tornar independente das fornecedoras de CPU e desenvolver e usar os seus próprios. Isso já é uma preocupação tanto para a AMD como para a Intel, que tem a Amazon como uma cliente importante.

Com a entrada da SiPearl no mercado, a concorrência ficaria ainda mais acirrada. A francesa fala ainda que tem um cronograma ambicioso. Ela espera que três gerações de processadores sejam entregues em um período de quatro anos. Nenhum desses modelos tem intenção de chegar ao consumidor final, todos eles serão voltados para o projeto europeu.

- Continua após a publicidade -

Apesar de ainda não ter interesse em comercializar os seus produtos, alguns rumores apontam que será questão de tempo para a empresa chegar ao mercado. Atualmente, a SiPearl é altamente dependente da tecnologia de outras duas empresas, também francesas, de semicondutores: a Kalray e Menta. 

O desenvolvimento de seus próprios processadores, indica que, a Europa está cada vez mais interessada em entrar fortemente no ramo de tecnologia. Apesar de poder ser planos futuros, o supercomputador desenvolvido pode competir com gigantes globais em breve.

Via: TechRadar
  • Redator: Ana Luiza Pedroso

    Ana Luiza Pedroso

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.