Créditos: AMD

Arquiteturas AMD RDNA 2 e GeForce RTX vão suportar DirectX 12 Ultimate

API inclui DirectX Ray Tracing, Variable Rate Shading e Mesh Shaders

As arquiteturas de placas de vídeo Nvidia GeForce RTX – no momento representada pelos modelos Turing –  e AMD RDNA 2 serão compatíveis com a nova API Microsoft DirectX 12, revelaram as duas fabricantes norte-americanas. Isso significa que as GPUs vão suportar quatro recursos gráficos que serão essenciais para a nova geração de games.

São eles: DirectX Ray Tracing (DXR), Variable Rate Shading (VRS), Mesh Shaders e Sampler Feedback. Algumas dessas funções, como DXR e VRS, já foram implementadas em alguns jogos que estão no mercado e podem ser ativadas em placas de vídeo Nvidia GeForce RTX no momento.

De acordo com o site Guru3D, tanto AMD quanto Nvidia colaboraram no desenvolvimento e no design da versão 1.1 do DXR. Trata-se de uma atualização da tecnologia de Ray Tracing do DirectX 12 que vai aumentar a eficiência e o desempenho numa série de efeitos de iluminação e sombreamento.

"O DirectX Ray Tracing traz um novo nível de realismo gráfico para os games, anteriormente apenas alcançável na indústria de filmes. Os efeitos que podem ser obtidos com o DXR são mais realistas, porque no senso eles são mais reais. O DXR traça caminhos de luz com cálculos físicos realistas, o que é uma simulação muito mais precisa do que os cálculos baseados em heurística que tínhamos antes".
Comunicado oficial da Microsoft

"O DirectX Ray Tracing traz um novo nível de realismo gráfico para os games, anteriormente apenas alcançável na indústria de filmes. Os efeitos que podem ser obtidos com o DXR são mais realistas, porque no senso eles são mais reais. O DXR traça caminhos de luz com cálculos físicos realistas, o que é uma simulação muito mais precisa do que os cálculos baseados em heurística que tínhamos antes".
Comunicado oficial da Microsoft

Através do DirectX 12 Ultimate, a Microsoft busca fazer com que efeitos avançados como o Ray Tracing em tempo real chegue a mais jogos em breve. Isso deverá facilitar a vida dos desenvolvedores, ao permitir que eles usem APIs e arquiteturas gráficas comuns tanto para games no PC quanto nos consoles.

"Variable Rate Shading (VRS) permite que os desenvolvedores variem seletivamente a taxa de shading de um jogo. Isso permite que eles ajustem o uso de GPU para focar em partes mais importantes do jogo, que tenham maior efeito na qualidade visual, economizando a potência da GPU em partes menos importantes. O Variable Rate Shading também tem a vantagem de ter um custo relativamente baixo para ser implementado pelos desenvolvedores".
Comunicado oficial da Microsoft

"Variable Rate Shading (VRS) permite que os desenvolvedores variem seletivamente a taxa de shading de um jogo. Isso permite que eles ajustem o uso de GPU para focar em partes mais importantes do jogo, que tenham maior efeito na qualidade visual, economizando a potência da GPU em partes menos importantes. O Variable Rate Shading também tem a vantagem de ter um custo relativamente baixo para ser implementado pelos desenvolvedores".
Comunicado oficial da Microsoft

Via: Guru3D
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

Qual vai ser o melhor game de abril de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.