Créditos: Intel

Intel lança engine de Ray Tracing de código aberto OSPRay 2.0

Motor se baseia no processamento da CPU para acelerar o cálculos dos raios de luz

A Intel lançou a versão 2.0 da sua engine de Ray Tracing de código aberto, a OSPRay, que chega com uma série de melhorias e novidades. De acordo com a companhia norte-americana, a tecnologia proporciona um motor de Ray Tracing aberto, escalável e portátil para renderizações aceleradas pelo processador.

A tecnologia pode ser utilizada para implementar oclusão ambiental, sombreamento, iluminação global com materiais baseados em propriedades físicas e renderização volumétrica. Segundo o site Tom's Hardware, o OSPRay ainda pode ser rodado em grandes sistemas com distribuição de memória, além de suportar o mais recente conjunto de instruções AVX-512 – como parte do modelo de programação oneAPI da Intel.

Site oficial: Intel OSPray

As notas do patch apontam as melhorias trazidas pelo OSPRay versão 2.0, com destaque para o aprofundamento do uso da Intel Open Volume Kernel Library (Open VKL). A promessa é que essa mudança irá permitir uma amostragem de volume amplamente melhorada, assim como trazer novos recursos de renderização e melhor desempenho.

A atualização ainda vem com o Intel Open Image Denoise e a versão mais recente do Embree, a coleção de kernels de Ray Tracing de alto desempenho da Intel. Ela também traz como novidade uma granularidade da hierarquia dos objetos na cena, o que permite uma maior flexibilidade e evita potenciais duplicações de objetos.

"O OSPRay proporciona capacidades de renderização escaláveis projetadas para aplicações de Visualização Científica. Efeitos de shading avançados como oclusão ambiental, sombras e transparência podem ser renderizadas interativamente para permitir novos insights com enorme quantidade de dados".
Comunicado Oficial da Intel

Via: Tom's Hardware
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

Você investiria mais do que o preço padrão por uma edição especial de uma placa de vídeo? Quanto?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.