Brasil lidera criação de vírus que roubam dados bancários

O Brasil foi classificado como o país mais infectado por cavalos-de-troia especializados em roubar informações e senhas bancÁrias, concentrando 36% de toda a produção de bankers do mundo.

Os dados são da companhia de segurança Kaspersky, que ainda afirma que 95% de todos os códigos maliciosos desenvolvidos no país são criados com esse objetivo. A estatística é preocupante, uma vez que, de acordo com uma enquete realizada pela empresa, 67% dos 1780 entrevistados utilizam algum serviço de banco online.


No cenÁrio mundial, cada região do mundo demonstra alguma "especificidade". Os Estados Unidos, por exemplo, são campeões na distribuição de antivírus falsos (FAKEAV), enquanto a Europa ocidental domina o nicho dos bots e a Rússia, em conjunto com o leste europeu, se destaca pelas infecções com rootkits, tipo especial de ameaça que consegue se camuflar dos softwares antivírus.

A Kaspersky, que analisa diariamente mais de 30 mil arquivos suspeitos e tem uma base de dados de assinaturas de vírus que ultrapassa os quatro milhões, contabiliza que aproximadamente 3500 novas assinaturas são criadas por dia, sendo que o Brasil responde por 3 a 8% desse total, variando conforme a época do ano.

Por aqui, o sistema operacional que mais sofre com as infecções é o Windows XP, com 57%, lembrando que, em julho, a Microsoft encerrou o suporte ao Service Pack 2, ainda muito utilizado. O Windows 7 aparece em seguida, com 32% e o Vista abocanha a fatia de 12%. Analisando o número de infecções por estado, São Paulo e Rio de Janeiro lideram o ranking, com 22,55 e 18,55%, respectivamente.


Imagem: Kaspersky

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Escolha sua arma:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.