Vulnerabilidade no chip Tegra X1 permite que qualquer Nintendo Switch seja hackeado

Uma vulnerabilidade nos chips Tegra X1 T210 da Nvidia revelada ontem mostrou que qualquer Nintendo Switch pode ser hackeado para rodar códigos externos, o que abre uma grande porta para ações como customização e, também, a possibilidade de pirataria.

A vulnerabilidade em questão se dá por causa do Boot Rom, processo de recuperação de dispositivos equipados com Tegra X1. Segundo descrevem os hackers, o chip permite rodar códigos externos e não autorizados quando está no processo de recuperação.

Como se trata de um problema a nível de hardware, a Nintendo não pode consertar a vulnerabilidade sem trocar o processador. Além disso, é importante destacar que o erro não é exclusivo da dona do Switch, já que outras fabricantes também usam chips Tegra X1 em seus dispositivos, como a Google e a própria Nvidia.

No caso do Switch, a vulnerabilidade já apareceu sendo usada algumas vezes para rodar Linux no console e algumas soluções para facilitar o hack do video game já estão aparecendo. De acordo com os hackers que descobriram a vulnerabilidade, o uso do bug é indetectável e costuma não trazer problemas ao sistema original do console.

Atualmente, a Nintendo já possui cerca de 15 milhões de unidades do Switch vendidas, todas com o chip da Nvidia. As empresas que utilizam o Tegra X1 em seus produtos já foram notificadas sobre a vulnerabilidade. Logo, possivelmente teremos novidades sobre o assunto em um futuro próximo, como o lançamento de um Switch com hardware revisado.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Via: WccFTech
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.