Epic Games demonstra ray tracing e motion capture em tempo real na GDC 2018

Durante a Game Developers Conference 2018 (GDC), a Epic Games demonstrou que caminhamos a passos largos para jogos super realistas. Em parceria com Nvidia e ILMxLAB, ela apresentou a tecnologia ray tracing, ou traçado de raios, sendo aplicada pela primeira vez em tempo real com foco nos reflexos. Além disso, mostrou grandes avanços na captura de movimentos faciais.

As melhorias em motion capture podem ser assustadoras e ao mesmo tempo empolgantes para os desenvolvedores. A 3Lateral fez uma versão digitalizada de Andy Serkis, ator conhecido por dar vida a Gollum em Senhor do Anéis, por meio de diversas fotos em alta qualidade e com luzes em diferentes ângulos. Em seguida a captura de movimentos faciais foi feita dentro da Unreal Engine em tempo real, ou seja, sem qualquer tipo de pós renderização ou ajustes nos keyframes da animação. 

O que chama a atenção no resultado, além da interpretação de Serkis, é a quantidade de detalhes e pequenas movimentações dos olhos, cílios, pálpebras e lábios, tornando a cena realista. O ator recita um trecho de Macbeth, clássico do teatro inglês escrito por William Shakespeare. Os dados desta captura foram reaproveitados em um outro boneco 3D para demonstrar a possibilidade de compartilhar animações entre diferentes personagens. 

Mesmo que o motion capture tenha sido surpreendente, o maior destaque de ontem foi o ray tracing em tempo real. Esta técnica de renderização já é antiga e muito utilizada em animações 3D como é explicado nesta vídeo aula da Pixar para o render de cores. O conceito é simples, uma linha invisível é traçada entre objetos a cada frame para determinar o que o programador quiser para a cena, no caso do exemplo da Epic, o ray tracing foi utilizado para determinar reflexo (o principal a ser notado), oclusão de ambiente, profundidade de campo, sombras e luzes. A cena de demostração foi esta abaixo, dois stormtroopers no universo de Star Wars. 

- Continua após a publicidade -

Conseguir executar todos estes detalhes em tempo real não seria possível sem a Nvidia RTX (ray-tracing technology). Segundo a Nvidia, levou mais de 10 anos de estudos para conseguir reproduzir esta técnica com perfeição e foi pensada para ser executada na arquitetura Volta. Aliada ao desenvolvimento está a Microsoft com o novo DirectX Raytracing (DXR) e empresas como Epic Games, 4A Games, Remedy Entertainment e Unit.

Nvidia anuncia recurso RTX e reaquece
rumores de uma nova geração GTX na GTC 2018

Luzes, sombras e reflexos em jogos são sem dúvida os elementos mais importantes para dar o efeito de realismo. O que vemos na maioria dos games atualmente são versões simplificadas e estáticas, não complexas e dinâmicas como é na vida real. A maioria dos efeitos com Ray tracing em tempo real não são utilizados em jogos atualmente por sobrecarregar muito os sistemas, já que demandam muitas informações e todo frame deve ser processado pelos hardwares. A Nvidia parece ter achado um jeito de driblar os problemas de performance e em breve teremos jogos utilizando este recurso em ampla escala, começando por Metro Exodus, que deve ser lançado no fim deste ano. 

Via: The Verge Fonte: Khanacademy, Nvidia, Nvidia, GDC, Unreal Engine, Epic Games
  • Redator: Neri Neto

    Neri Neto

    O universo geek faz parte do dia a dia, da vida, deste jornalista. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Neri Neto é responsável por conteúdos diversos no Adrenaline. Ele adora tecnologia, cinema, games e descobriu ainda na infância que a linguagem dos vídeos seria perfeita para falar de tudo que ama. Neri também fala bastante em terceira pessoa, gosta de descontrair e está sempre nas redes sociais.

Escolha sua arma:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.