Estudo mostra que navegação "segura" pode deixar rastros

Selecionar o modo privado de navegação dos browsers pode não ser uma solução tão segura assim.

Um recente estudo da Universidade de Stanford, que serÁ apresentado na conferência de segurança Usenix, afirma que existem dois fatores que comprometem a privacidade proporcionada pela ferramenta: criptografia e extensões.


A pesquisa comprova que a navegação privativa é ativada, na maioria das vezes, quando os usuÁrios visitam sites de conteúdo adulto. O sistema garante a privacidade do usuÁrio por não armazenar rastros no computador, como cookies e arquivos de histórico.

O problema acontece quando o usuÁrio visita um site que utiliza criptografia, como boa parte dos sites de loja virtual. Nesse caso, os dados de navegação ficam guardados no HD e podem ser recuperados posteriormente. O mesmo acontece quando algumas extensões do browser com funções de busca online estão ativadas.

Todos os navegadores mais utilizados atualmente são afetados, incluindo Firefox, Safari, Chrome e Internet Explorer.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Escolha sua arma:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.