Re:scam é um novo chatbot que gasta o tempo de criminosos que fazem golpes por e-mail

A companhia de cibersegurança Netsafe desenvolveu um chatbot chamado de Re:scam para gastar o tempo de criminosos que buscam realizar golpes por e-mail.

Para utilizar o serviço, basta encaminhar a mensagem eletrônica suspeita para o endereço "[email protected]". A partir de então, um software rudimentar de inteligência artificial vai fazer tudo o que é possível para desperdiçar o tempo dos criminosos.

A ideia é que, quando alguém deleta um e-mail de phishing ou outro golpe do tipo, o golpista só vai atrás de alguma outra vítima. O chatbot da Netsafe é projetado para que, ao invés de fazer isso, os criminosos tenham que ler e responder mensagens como a seguinte:

Clique aqui para ler a conversa completa (em inglês)

"Eu coloquei todas essas informações [os dados que interessam ao golpista] no último e-mail, mas o e-mail percorreu um longo caminho, então talvez ele se perdeu em algum lugar no trânsito? Vamos tentar de novo. Cheque o anexo".
- Chatbot do Re:scam respondendo a uma suposta viúva religiosa (o anexo estava vazio, de novo)

"Eu coloquei todas essas informações [os dados que interessam ao golpista] no último e-mail, mas o e-mail percorreu um longo caminho, então talvez ele se perdeu em algum lugar no trânsito? Vamos tentar de novo. Cheque o anexo".
- Chatbot do Re:scam respondendo a uma suposta viúva religiosa (o anexo estava vazio, de novo)

- Continua após a publicidade -

A tecnologia por trás do Re:scam não é particularmente nova e nem muito sofisticada. O principal método para esse tipo de sistema é dar respostas relativamente vagas, indiretas ou imprecisas, mas ainda dentro do assunto para não perder atenção do golpista.

Segundo o site The Verge, isso é algo parecido com o que o chatbot de áudio Lenny faz. Ele é projetado para desperdiçar o tempo de atendentes de telemarking e não utiliza inteligência artificial nem reconhecimento de fala. Ao invés disso, o sistema foi programado com apenas 16 falas pré-gravadas que são bastante vagas e ambíguas.

Via: The Verge
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation 1. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia. Formado jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.