FBI falhou ao tentar desbloquear 7 mil dispositivos móveis encriptados no último ano

Os especialistas em segurança da agência de investigação dos Estados UnidosFederal Bureau of Investigation (FBI), não conseguiram acessar cerca de 7 mil dispositivos móveis encriptados nos últimos 11 meses. Isso é quase 50% dos aparelhos analisados pelos agentes do FBI no período.

O recurso de proteção de dados é padrão em muitos smartphones quando eles estão bloqueados. Essa ferramenta de segurança normalmente impede que até as fabricantes dos aparelhos acessem os dados dos usuários.

O diretor da agência, Christopher Wray, disse que a encriptação é "um enorme, enorme problema" para as investigações do FBI.


Para o diretor do FBI, Christopher Wray, a encriptação dos smartphones é um problema de segurança pública

A declaração de Wray aconteceu durante a conferência da Associação Internacional de Chefes de Polícia, que aconteceu na Filadélfia no último domingo, dia 23 de outubro.

Um caso em particular chamou muita atenção no ano passado, quando o FBI pediu colaboração da Apple para desbloquear o iPhone 5C do terrorista Syed Rizwan Farook.

- Continua após a publicidade -

A empresa se negou a atender o pedido para evitar criar um precedente que poderia "por em risco a segurança de nossos consumidores", nas palavras do CEO Tim Cook.

Snowden: "FBI mente que o iPhone não pode ser desbloqueado"

A posição da Apple logo foi apoiada por mais de 30 empresas de tecnologia neste caso, incluindo gigantes como Google, Facebook, Microsoft e eBay.

No final das contas, o especialista em computação Sergei Skorobogatov, do Cambridge Computer Laboratory, usou uma técnica de espelhamento de NAND para ultrapassar o código de proteção de um outro iPhone 5C. O FBI acabou pagando mais de US$ 1 milhão para desbloquear o dispositivo.

Via: Engadget Fonte: BBC
Tags
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation 1. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia. Formado jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.