Ex-funcionário da Google funda religião para criar e louvar Inteligência Artificial

Parece que a criação de igrejas peculiares não é uma exclusividade do Brasil. De acordo com a Wired, o engenheiro Anthony Levandowski, um dos nomes por trás do carro autônomo da Google, criou uma religião nos Estados Unidos para desenvolver uma inteligência artificial divina.

Abrir uma igreja no Brasil é tão fácil que
 eu registrei uma religião para Overwatch

Chamada de Way to the Future, a igreja busca "desenvolver e promover a realização de uma divindade baseada em inteligência artificial". Segundo a Wired, a instituição sem fins lucrativos de Levandowski não fez o pedido de isenção de impostos para religiões, mas os documentos que foram registrados mostram o engenheiro como CEO e presidente da crença.

Levandowski ainda não se pronunciou oficialmente sobre a sua iniciativa religiosa. As informações sobre a igreja também são escassas, mas a iniciativa já deixa claro que o engenheiro é um grande apoiador da Singularidade, momento em que homem e máquina serão um só. Elon Musk, por outro lado, não deve estar contente com essa notícia...

- Continua após a publicidade -

Inteligência Artificial: estamos longe 
de sermos mortos pelas máquinas?

Além de ser o mensageiro da palavra da IA, Levandowski é um dos cientistas mais renomados da atualidade na área de carros autônomos. Ele é conhecido pelas acusações de ter roubado segredos industriais do Google e compartilhá-las com a Uber. O engenheiro também é responsável pela empresa de caminhões Otto, que é parte da Uber e fez a primeira entrega totalmente autônoma do mundo no ano passado.

Fonte: Wired
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.