Você acha que suas senhas são boas?

Você conhece Bill Burr? Provavelmente não sabe o quanto este homem impactou sua vida na internet. Ele é basicamente o cara que estudou e determinou por que uma senha deve ser bizarra, cheia de caracteres especiais, letras maiúscula e minúsculas para garantir segurança na rede. 

Durante anos fomos instruídos a utilizar senhas com números e composições sem sentido para manter nossas contas protegidas. Tudo isso para nesta semana o senhor de 72 anos e já aposentado conceder uma entrevista ao The Wall Street Journal revelando estar arrependido de criar tais regras e comentando a ineficácia delas.

Em 2003, Bill Burr trabalhava para o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (órgão estadunidense responsável por inúmeras normas do país) quando criou um documento completo com instruções sobre como devem ser as senhas. Neste mesmo documento ele recomendava, além do uso de caracteres especiais e números, que a senha fosse alterada a cada 90 dias. 

Senhas mais usadas em 2015 comprovam
que continuamos preguiçosos e sem criatividade

Com o passar dos anos, os relatórios de senhas violadas mostraram que as senhas fortes na verdade não eram tão fortes quanto pareciam. O Instituto acabou reescrevendo este mesmo relatório, agora não há mais a recomendação de alterar a senha a cada 90 dias. A recomendação é a de que usuários devem ser incentivados a escrever senhas longas e de fácil memorização. 

- Continua após a publicidade -

Na entrevista há detalhes explicando que uma senha cheia de caracteres e números aleatórios pode ser quebrada mais facilmente por um ataque cibernético do que uma senha longa e de fácil memorização para o usuário. 

Nota: 123456 continua sendo uma senha horrível. 

 

Fonte: The Wall Street Journal
Tags
  • Redator: Neri Neto

    Neri Neto

    O universo geek faz parte do dia a dia, da vida, deste jornalista. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Neri Neto é responsável por conteúdos diversos no Adrenaline. Ele adora tecnologia, cinema, games e descobriu ainda na infância que a linguagem dos vídeos seria perfeita para falar de tudo que ama. Neri também fala bastante em terceira pessoa, gosta de descontrair e está sempre nas redes sociais.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.