Jovem planeja remover plástico em alto mar no Pacífico; cientistas criticam ação

O inventor holandês Boyan Slat planeja colocar em ação já em 2018 um plano para posicionar uma frota de coletores de lixo em alto mar no Oceano Pacífico, com o objetivo de limpar uma gigantesca mancha de lixo composta de plásticos acumulados na região.

Para se ter uma ideia de seu tamanho, o capitão do navio que a descobriu disse que levou uma semana para cruzá-la. Nesse período, ele relata não ter achado sequer uma única área limpa no meio do lixo.

A ideia de Slat é de posicionar conjuntos de âncoras submarinas que vão ficar cerca de 600 metros abaixo da superfície. De acordo com ele, as correntes marítimas vão levar o plástico até os seus sistemas. O vídeo abaixo mostra detalhadamente como deverá funcionar o processo:

"Esses sistemas vão ficar à deriva ou gravitar até onde o plástico está", explica Slat. "Ao invés de conseguirmos limpar 42% desse lixo em 10 anos [com o sistema antigo], agora será possível limpar 50% em 5 anos", defende, falando sobre a vantagem do novo sistema de âncoras.

Ainda de acordo com o inventor, a alteração no design permitiu que ele convencesse um grupo de doadores a investir mais US$ 21,7 milhões na sua organização sem fins lucrativos, chamada The Ocean Cleanup.

- Continua após a publicidade -

Cientistas discordam do plano


Desde que Slat divulgou seus planos, cientistas e oceanógrafos fizeram uma série de críticas às ideias do criador. Para começar, a organização não parece ter se preocupado com o caso de tempestades ou correntes mais extremas. Isso poderia quebrar o sistema e ainda piorar a poluição no local, como aponta o site Deep Sea News.

Já outros cientistas estão preocupados que as âncoras podem atrair peixes e outros animais marinhos, e que então podem ingeri-los. Também não se sabe o quanto desse lixo realmente será reciclável. Uma grande parte desses plásticos está bem bem fundo, onde o sistema não poderá coletá-lo.

Sistemas seriam mais eficientes perto da costa


O principal ponto de crítica é sobre a área de foco da retirada do lixo. O oceanógrafo Kim Martini, por exemplo, diz que essas âncoras deveriam ser colocadas mais perto das costas e das margens, que é por onde esses plásticos entram no oceano.

- Continua após a publicidade -

"Focar em limpar em limpar essas regiões, na opinião da comunidade científica, é um esforço desperdiçado", defende o biólogo marinho Jan van Franeker. "É muito dinheiro para reduzir algo que desparece em 10 a 20 anos, se você parar de poluir", explica.

Para finalizar, os cientistas estão preocupados que um projeto tão tecnológico de limpeza pode distrair o público em relação a esforços menos glamourosos de diminuir o uso de plástico.

Via: Deep Sea News, Engadget, Science Mag, Business Insider
Tags
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

Escolha sua arma:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.