Cientistas conseguem guardar 215 PETAbytes num grama de DNA e acessar os dados sem erro

O armazenamento de dados digitais no DNA não é uma pesquisa inédita, mas cientistas da Universidade de Columbia foram muito além do que estava sendo feito até hoje e conseguiram efetivamente guardar 215 petabytes de dados em apenas um grama do material genético. 215 mil terabytes, incluindo vídeos e até um sistema operacional inteiro, dados que eles conseguiram acessar e recuperar depois sem erros.

O feito é impressionante especialmente porque foi armazenado 1,6 bit em cada nucleotídeo, um número bastante próximo do potencial teórico de 1,8 bit para cada nucleotídeo. Além da quantidade absurda que pode ser guardada em segurança em cada grama de DNA, o investimento em biotecnologia para o futuro do armazenamento tem outra vantagem do material genético poder ser conservado, teoricamente, por milhares de anos, com o seu conteúdo ainda "legível" depois.

A tecnologia, no entanto, está ainda muito longe de se tornar algo mainstream. Enquanto os SSDs estão agora entrando num patamar de valores mais acessível, usar essa técnica custa milhares de dólares para apenas guardar alguns megabytes e acessá-los depois.

 

Fonte: Neowin
Assuntos
Tags
  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

Deve ter lançamentos como leve melhorias na mesma arquitetura

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.