HyperX Cloud Stinger entrega som e conforto de gente grande por preço camarada

O HyperX Cloud Stinger chegou em outubro para mostrar que a HyperX não está para brincadeira no mercado de headsets. Ele é o sétimo periférico de áudio da história da companhia, que em agosto de 2016 atingiu a marca de 1 milhão de headsets vendidos.

A ideia da empresa com o dispositivo é oferecer um produto de qualidade para gamers com um orçamento mais curto, mas que não querem abrir mão de conforto e qualidade de som.

Conforto de sobra e fones que giram


Pesando 275 gramas, o Cloud Stinger é definitivamente um fone bem leve, e que acaba não pesando na cabeça. Contribui para isso a espuma Memory Foam de alta qualidade exclusiva HyperX, que se adapta ao formato da cabeça do usuário.

Mas o que realmente o torna diferente da grande maioria dos concorrentes são as suas conchas auriculares que giram em 90 graus. O recurso faz com que fique mais confortável com usuários dos mais variados formatos de cabeça, além de posicionar melhor o som, dando melhor profundidade para o áudio.

- Continua após a publicidade -

Drivers de 50 mm garantem precisão e qualidade de áudio


Mesmo sendo um headset com foco no custo-benefício e que custa na faixa de R$ 300 hoje em dia, o Cloud Stinger tem som de gente grande. Seus drivers direcionais de 50 mm oferecem áudio da qualidade dos fones Cloud, Cloud II e Cloud Core, com graves de qualidade médios detalhados e agudos bem nítidos.

O soundstage foi bem trabalhado e oferece boa profundidade, possibilitando muitas vezes apontar de onde vêm os passos de inimigos em jogos de tiro em primeira pessoa, ou diferenciar diferentes instrumentos de uma música.

Design se diferencia do padrão HyperX


O projeto visual do Cloud Stinger se diferencia bastante do que costumamos ver nos produtos da companhia. Por exemplo, o microfone não é removível. Ao invés disso, ele inclui um microfone embutido, que tem fica mudo quando você o levanta. Outra diferença é que o comando de volume fica na própria concha auricular, o que pode até ser mais prático, dependendo das preferências do usuário.

Tags
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation 1. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia. Formado jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

O que você pesa mais quando escolhe sua plataforma para jogos?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.