Facebook poderia parar notícias falsas, mas não o faz por medo dos conservadores

O Facebook tem as ferramentas necessárias para impedir que notícias falsas de sites sem credibilidade se espalhem pela rede social, mas não toma um atitude por medo de reações negativas por parte de seus usuários mais conservadores.

A informação foi publicada pelo site Gizmodo, que entrevistou duas fontes com conhecimento direto do processo de tomada de decisões da companhia. "Eles definitivamente têm as ferramentas para acabar com as notícias falsas", disse uma das fontes.

"Existia muito medo de irritar os conservadores depois dos Trending Topics, e várias decisões de produto acabaram parando nisso", completou.

O motivo da preocupação com o assunto é que a rede social tem sofrido críticas de permitir que hoaxes e notícias falsas corram livremente pelos feeds de seus usuários. Houve até sugestões de que essa atitude permitiu a surpreendente eleição de Donald Trump como presidente dos EUA. Mark Zuckerberg, o CEO do Faceobok, respondeu a essa ideia, dizendo que não enxerga interferência do Facebook no assunto.

Isso é relevante pois, nos Estados Unidos, 44% da população se informa principalmente pela rede social. No Brasil, cerca de 70% da população tem como primeira fonte de notícia o Facebook.

- Continua após a publicidade -

O Facebook se defendeu, dizendo que não cria nenhuma mudança no Feed de Notícias baseada no potencial de impactar um ou outro partido político. "Nós sempre trabalhamos para fazer o feed de notícias ficar mais relevante e informativo, e isso inclui examinar a qualidade e a precisão dos itens compartilhados, como clickbaits, spam e hoaxes", diz o comunicado oficial.

Via: Gizmodo
Tags
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.