Intel diz: "ARM não é uma ameaça para nós!"

Durante uma entrevista para analistas de mercado e investidores, o CEO da Intel, Paul Otellini (foto ao lado), falou sobre as estratégias da companhia e disse que a Intel não enxerga na ARM, uma concorrente a altura de ameaçar os planos da gigante do silício.

Otellini comentou ainda sobre a evolução tecnológica, ao dizer que ao migrar para os 90nm em 2003 (advento do Pentium 4 com um núcleo e 170 milhões de transistores), a companhia levou 50 semanas para concluir o processo, ao passo que ao chegar aos 32nm (com CPUs de múltiplos núcleos e mais de 1 bilhão de transistores), a Intel necessitou apenas 25 semanas!

Ele disse que a sua companhia tem como grande vantagem mercadológica, o fato de poder oferecer produtos mais refinados mais rapidamente, podendo assim gerenciar seu inventÁrio e balanço de forma mais eficiente.

De acordo com o executivo, a Intel lidera no segmento de vídeo integrado em diferentes plataformas, como é o caso do Atom 4100, escolhido para todas as aplicações para Smart TVs. A nova geração Moorestown é a única (segundo Otellini) plataforma para smartphones capaz de rodar vídeos em 1080p.

- Continua após a publicidade -

"A ARM não é uma ameaça", revelou Paul Otellini. "Se as pessoas olharem para as margens da Intel e das fundidoras, as suas são substancialmente mais elevados. Outras arquiteturas obedecem as mesmas leis da física. É muito difícil ganhar dinheiro através do licenciamento de projetos", arrebateu o executivo.

Traduzindo o que Otellini disse acima, enquanto que a ARM teve margem bruta de 92,2% e a Intel teve 55,7% em 2009, a receita da gigante do silício foi de US$35,1 bilhões contra US$ 489,5 milhões da ARM.

Assuntos
Tags
  • Redator: Filipe Braga

    Filipe Braga

    Filipe Braga é um cearense extremamente simpático formado em Ciências da Computação e apaixonado por computadores e tecnologia em geral. Também participa de reviews de hardware, especialmente placas de vídeo, processadores e placas mãe.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.