Zoom de 2x do iPhone 7 Plus nem sempre entra em ação

Uma das novidades mais interessantes do lançamento dos novos iPhones 7 foi a introdução da dupla de câmera no iPhone 7 Plus, com uma lente grande angular e uma tele capaz de entregar um zoom de 2x. Com aparelhos já sendo testados por sites internacionais e também na mão dos consumidores, um problema surgiu: em alguns momentos o zoom não utiliza a objetiva tele.


Zoom de 2x realizado pelo iPhone 7 (esquerda) e a lente tele do iPhone 7 Plus (direita)

Essa questão foi levantada ao vice-presidente de marketing da Apple, Phill Schiller, que através do Twitter explicou o motivo da limitação: em momentos de baixa luminosidade ou caso o objeto da foto esteja muito próximo (10cm ou modo macro) o smarpthone usará o zoom de 2x com a objetiva grande-angular, pois ela apresenta melhores resultados por conta de sua maior abertura (f/ 1.8) e menor distância focal.

A limitação das objetivas tele não é exclusividade dos smartphones. Mesmo câmeras profissionais com objetivas tele apresentam aberturas menores, prejudicando o resultado da foto em cenas com pouca luminosidade. Outro exemplo é o Zenfone Zoom: o aparelho da Asus trouxe a capacidade de realizar o zoom óptico, sem perdas de qualidade decorrentes do zoom digital, porém os resultados era pouco interessantes em cenas mal-iluminadas.

- Continua após a publicidade -

Análise: [LG G5 SE] Premium com desempenho de intermediário, ótima câmera grande-angular e modularidade dispensável
Asus [Zenfone Zoom] Câmeraphone tem excelentes recursos para profissionais, mas não é capaz de levar o título de melhor câmera
 

Além do alcance maior através da tele com zoom de 2x, a dupla de câmeras do iPhone 7 Plus conta com uma objetiva grande-angular, que possibilita novas composições. Outro smarpthone que possui esse tipo de lente é o LG G5 SE, e o resultado de usar uma grande-angular é esse aqui:

Via: Phone Arena, CNET
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Devem existir lançamentos de chips com melhorias na mesma arquitetura

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.