BGS 2016: ReCore tem combates frenéticos e personagens carismáticos; veja impressões

Na Brasil Game Show 2016, tive a oportunidade de testar "ReCore", um dos games em destaque do gigantesco estande da Microsoft. E a nova produção de Keiji Inafune, produtor de Mega Man, provou que está pronta para divertir os jogadores com uma jogabilidade frenética e personagens bem carismáticos. Abaixo você confere as impressões do game.

Tiroteios frenéticos prazerosos

Não tem como negar: "ReCore" diverte muito nos combates. Os controles, embora tenham várias combinações, são muito bem otimizados. Alguns minutos de jogatina adentro e o jogador já se acostuma com os padrões de comandos, absorvendo uma experiência prazerosa. Além do tiro simples, é possível carregar um segundo tiro mais forte com a arma principal. Esses ataques são de elemental neutro, sem interferências adicionais no sistema de dano, que não para de mostrar na tela o quanto você tira de energia do inimigo e mostra essa mesma barrinha diminuindo aos poucos. 

Mas o mais legal são os robôs que acompanham a protagonista Joule na aventura. Na demonstração, era possível escolher e revezar entre apenas dois deles: o "cachorrinho" Mack e a "aranha" Seth, ambos bem carismáticos, únicos e muito envolventes nas suas maneiras de agir, emitir ruídos e desempenhar ataques.Assim como Joule, Mack e Seth também possuem ataques simples e especiais. Mas diferente da protagonista, não é possível controlar esses dois tipos em tempo real. É a mecânica do jogo que se adapta automaticamente, dependendo do contexto das ações permitidas em cada combate. Por um lado, restringe a liberdade do jogador; por outro, evita a fadiga de erros bobos e agiliza a dinâmica das lutas.

- Continua após a publicidade -

Pelo menos é possível combinar esses ataques com os de Joule, resultando em tiroteios bastante frenéticos. Como os inimigos costumam aparecer aos montes, existe muita coisa acontecendo na tela ao mesmo tempo. Tudo é regado a efeitos visuais bonitos, convincentes e rodando sem engasgos perceptíveis. 

Puzzles simplórios

Algo que "ReCore" deixou a desejar foi na parte de puzzles. A demonstração era bastante focada em combates e, por isso, os raríssimos trechos de quebras-cabeças apenas exigiam o encaixe de orbs de energia em conectores bastante óbvios e de localização imediata. Esses orbs vinham com a derrota de uma série de inimigos e, em um caso mais para o final, um mini-chefe voador que possuía padrões diferenciados de ataque, algo que rendeu um divertimento extra na experiência. 

Só realmente espero que, na versão final do jogo, exista um equilíbrio coerente entre os trechos de combates com os de puzzles. E que estes sejam mais elaborados e desafiantes, e não uma simples atração para constar e servir de mera ponte para mais uma nova onda de combates, que correm o risco de se tornar bastante repetitivos em pouco tempo.

- Continua após a publicidade -

Com versões para Xbox One e PC, "ReCore" tem lançamento marcado para 13 de setembro. Já a BGS 2016 acontece de 1 a 5 de setembro em São Paulo (SP). 

Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

A Activision acertou ao colocar músicas do Charlie Brown Jr. no Tony Hawk's 1+2

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.