Facebook "não está criando bolhas de pensamento", afirma Zuckerberg

Uma das críticas mais duras que o algoritmo da linha do tempo do Facebook sofre é sua "polarização" baseada nos comportamentos do usuário, que ao curtir e interagir apenas com conteúdos e pessoas que concorda, eventualmente viveria em uma "bolha" onde apenas veria conteúdos com opiniões semelhantes a sua.

Durante uma conversa com os acionistas por telefone, um dos participantes questionou o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, sobre a criação dessas "bolhas de pensamento" na rede social. A resposta, transcrita pelo Seeking Alpha, foi (em tradução livre):

Nós estudamos os efeitos que você está falando sobre, e publicamos os resultados de nossa pesquisa que mostra que o Facebook é, na verdade, e mídias sociais em geral, as mais diversificada [em opiniões] forma de mídia disponível.

- Mark Zuckerberg, CEO do Facebook

Mesmo considerando que as pessoas que você se relaciona na rede social tem, em sua maioria, um histórico ou uma origem semelhante a sua, Zuckerberg afirmou que há uma pequena porcentagem, algo entre 5 a 15% deles, que possuem um ponto de vista e opiniões diferentes das suas e que elas serão exibidas em sua linha do tempo na rede social.

- Continua após a publicidade -

Se você comparar com a mídia tradicional onde as pessoas costumeiramente leem um jornal ou o canal de TV e o que eles recebem é 100% daquele ponto de vista, as pessoas estão expostas a uma variedade bem maior de tipos de conteúdo através das redes sociais do que elas teriam no passado. Então é uma teoria que soa correta, e entendo porque as pessoas repetem ela, mas não é real. 

Zuckerberg fez referência a uma pesquisa publicada pelo The New York Times em 2015, que indicou que havia mais conteúdo politizado na rede social, e que em média 29% do conteúdo exibido seria de uma corrente ideológica conflitante com a opinião do usuário. A pesquisa, porém, foi muito criticada por sua metodologia, ao usar um grupo de estudo muito pequeno, representando em torno de apenas 4% dos usuários americanos.

Via: Business Insider Fonte: Seeking Alpha
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.