Caem as vendas de smartphones no Brasil; retração da Apple foi de 40%

 

Dados do Gartner mostram uma queda de 25% nas vendas de smartphones no Brasil durante o primeiro trimestre, em comparação ao ano passado. Praticamente todas as grandes fabricantes sofreram uma retração. Duas empresas que mais "sentiram o impacto" foram a Apple e a LG: a primeira sofreu uma redução de 40% nas vendas, enquanto a sul-coreana despencou 58,4%. Além da influência da crise econômica no país, as empresas parecem ter dificuldade de introduzir novidades capazes de motivar a compra de novos aparelhos, assunto que já foi tema de uma coluna opinativa por aqui.

Coluna: Os smartphones estagnaram: a falta de evolução do mobile nos últimos três anos

Outras empresas sentiram a retração de forma mais modesta. A Samsung sofreu uma redução de 15%, enquanto a Lenovo vendeu em torno de 21% a menos. A exceção foi a BLU, empresa que ampliou em 10% a comercialização de seus smartphones e ocupa hoje o terceiro lugar do ranking, segundo o Gartner, ultrapassando a LG devido a gigantesca retração da empresa.

A retração da Apple é curiosa porque parece ir contra a evolução do mercado nacional. O segmento de aparelhos premium, acima dos R$ 3.000, foi o que mais cresceu no país, passando de 1,7% para 5,3% das vendas. A empresa da maçã globalmente tem alta participação nesse mercado, porém no Brasil não parece ter sido capaz de ganhar mais espaço, perdendo lugar para os dispositivos Android. O foco nos aparelhos mais caros, segundo o instituto de pesquisa de mercado, seria resultado dos consumidores que já possuem um aparelho e que agora buscam algo de mais qualidade para fazer a troca.

- Continua após a publicidade -

Análise: Apple iPhone 6s Plus - algumas melhorias, recursos úteis e outros nem tanto. Tudo por um preço alto demais

Apesar desse resultado bastante negativo no primeiro trimestre, estimativas indicam uma recuperação do mercado no segundo trimestre. Outro aparelho, o iPhone SE, trouxe a Apple para outro patamar de preço (o aparelho em sua versão mais barata sai por R$ 2.699), algo que somado a recuperação do segmento como um todo, pode fazer a empresa recuperar terreno perdido. Para os lados da LG, o feedback das análises não tem sido muito positivo para o seu atual topo de linha, o LG G5 SE. O aparelho lançado em junho foi muito criticado por sua redução no hardware, comparado ao modelo internacional, e a modularidade pouco prática. Você pode conferir no nossa análise em texto nesse link, ou a versão em vídeo abaixo:

Análise: LG G5 SE - Premium com desempenho de intermediário, ótima câmera grande-angular e modularidade dispensável

 

- Continua após a publicidade -

 

Tags
lg
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Qual vai ser o melhor game de outubro de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.