Cibercriminosos infectam buscas sobre o Oscar 2010

Atacar resultados de pesquisas na internet direcionando-os para links maliciosos estÁ se tornando uma atividade cada vez mais comum.

Após cibercriminosos explorarem o terremoto no Chile e o acidente no Seaworld, agora, os novos alvos são as buscas pelos vencedores do Oscar 2010. Apenas um dia após a premiação, os pesquisadores de ameaças da Trend Micro, multinacional especializada em segurança para a internet, jÁ conseguiram encontrar variantes do falso antivírus FAKEAV nas pÁginas de pesquisa.


Imagem: Trend Micro

Ao utilizar os termos de pesquisa "vencedores do Oscar 2010 ao vivo",  quase 80% dos resultados só na primeira pÁgina levaram ao download de um FAKEAV binÁrio detectado pela Trend Micro como TROJ_FAKEAV.ZZH. Isso é possível graças à técnica blackhat de otimização de mecanismo de busca (SEO, na sigla em inglês), que redireciona resultados de sites de busca para links infectados.

A companhia observou que a variante detectada se conecta a um website remoto para enviar e receber informações. Ela também pode fazer o download de outros malwares, inclusive o Mal_Xed-22 e o TROJ_VUNDO.SMAT.

Conforme a Trend Micro, com a constante proliferação de ataques blackhat SEO que direcionam ao FAKEAV, fica evidente que os criminosos virtuais pretendem continuar explorando importantes temas de pesquisas na Web.

Uma pesquisa divulgada pela McAfee nesta semana confirma o crescimento desse tipo de ataque, mostrando que, no último ano, os incidentes com falsos antivírus cresceram 400%.

Além de cautela na hora de clicar nos links mostrados pelos mecanismos de busca, outros cuidados podem ser tomados para evitar infecções, como o uso do Trend Micro Smart Protection Network. O recurso protege os usuÁrios ao bloquear, por meio do serviço de reputação web, o acesso aos sites maliciosos envolvidos.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

É melhor ter o xCloud capado no iOS ou ficar sem o serviço nos iPhones?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.