Xiaomi: não estamos encerrando nossas operações no Brasil

A Xiaomi se pronunciou sobre o rumor que a empresa estaria em processo de abandonar o mercado brasileiro. Em nota divulgada para a imprensa, a empresa afirma que "exercendo seu direito de resposta, reforça a informação de que os produtos do portfólio são montados no Brasil quando e se a fabricação se justificar frente à importação e que não estamos encerrando nossas operações no Brasil."

A especulação sobre a saída da empresa do país ganhou forma após o site Manual do Usuário publicar uma matéria apontando supostos indícios das dificuldades da empresa em sua operação no país. O site utiliza como base uma fonte que não quis se identificar, documentos relacionados a regularização de produtos da Xiaomi junto a órgãos como a ANATEL e um suposto fim da fabricação do Redmi 2 na fábrica da Foxconn em Jundiaí.

Em seu comunicado, a empresa levantou uma serie de objeções aos dados publicados, envolvendo questões sobre indisponibilidade de produtos e problemas com órgãos reguladores nacionais:

- Nosso modelo de vendas, em todos os mercados que operamos, se inicia com Eventos de Vendas com data e hora marcadas e evolui para vendas regulares online assim que somos capazes de gerenciar a demanda. Uma rápida pesquisa nas nossas maiores operações (China e Índia por exemplo) mostra que vendemos principalmente fora de eventos de vendas, com parceiros de ecommerce e com operadoras também. No Brasil, uma das implementações que fizemos foi a opção de pagamento por boleto, a pedido de nossos consumidores.
 
- É absolutamente improcedente a alegação de que o carregador portátil Mi Power Bank tenha apresentado problemas, quer seja na Anatel, quer seja na Receita Federal. O produto jamais apresentou qualquer falha em testes como as levianamente alegadas e tampouco a Xiaomi foi multada por quaisquer irregularidades. O site Manual do Usuário não conseguiu confirmar a informação destas fontes porque elas não procedem. Nos causa estranheza que ainda assim tenham decidido por divulgar essa informação incorreta, não verificada e que pode trazer preocupações infundadas aos consumidores, como confirmado pelo IBRACE (Instituto Brasileiro de Certificação, Organismo de Certificação Designado pela ANATEL):
 
- A imagem do site da Anatel utilizada na matéria mostra o status atual da licença como suspenso. A Xiaomi não renovou a licença, pois o modelo inicialmente importado do Mi Power Bank se esgotou e, uma vez que já foi descontinuado do portfolio mundial, não será mais vendido no Brasil.
 
- Quanto à também inverídica alegação de que a Xiaomi teria sido multada por classificação incorreta no processo de importação, esclarecemos que o processo citado se refere a uma análise de compensação de tributos federais que passou por averiguação quanto à sua validade, tendo seu mérito reconhecido e arquivado, conforme descrito no próprio documento. Esse processo não tem qualquer relação com importação de produtos, que é realizada diretamente por empresas especializadas ou parceiros varejistas.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que foi pior? O Athlon 3000G com RTX 3080 ou o Ryzen 9 5900X com GeForce GT 1030?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.