Blogueira que mentiu ter câncer terminal para vender aplicativo é processada na Austrália

A blogueira australiana Belle Gibson está sendo processada por alegar que foi curada de um câncer cerebral terminal utilizando remédios naturais. Utilizando a mentira, a jovem de 23 anos criou um livro e um aplicativo chamados "The Whole Pantry", que foram bem sucedidos em vendas e, por causa do conteúdo falso, motivaram uma ação legal que está sendo movida pela "Consumer Affairs" órgão de direitos do consumidor do estado de Victoria, na Austrália.

O câncer falso foi utilizado para alavancar as vendas do livro e a popularidade do app, que tratam de estilo de vida e trazem dicas e receitas para se ter uma saúde melhor. O app da blogueira ficou tão popular que foi um dos primeiros a serem lançados para o Apple Watch. Na época, a própria Apple pagou a viagem da blogueira da Austrália até os Estados Unidos para ela ter uma participação maior no desenvolvimento do aplicativo.

A história de Belle Gibson desandou após ela admitir, em entrevista ao The Australian, que um médico podia ter errado o "diagnóstico do câncer", que supostamente atingia o rim, baço, fígado, útero e sangue. Além disso, a blogueira prometeu doar US$ 300 mil para instituições de caridade que seriam retirados das vendas do livro e aplicativo. Nesta semana, a Whole Pantry alegou estar com problemas financeiros e, até agora, nenhuma doação foi feita. As redes sociais da companhia estão fora do ar, mas o app ainda pode ser visto na Play Store, em sua versão Android.


O aplicativo foi lançado em 2013 e chegou a receber prêmios em sua versão para iOS

Em seguida, um porta-voz da editora australiana Penguin, responsável pela publicação de "The Whole Pantry", revelou que não foram requisitados exames e provas da doença da blogueira e que o livro foi publicado em "boa fé". Falando ao Daily Mail, a porta-voz disse que a editora não achou necessário checar os fatos antes de fazer a publicação, já que se travava de um livro de receitas.

- Continua após a publicidade -

O processo foi registrado na corte do estado de Victoria e tem como base defender os direitos dos consumidores. Se a ação legal for aceita, a companhia da blogueira receberá uma multa de US$1.1 milhão, além de US$ 220 mil para indivíduos. A Editora Penguin receberá uma penalidade de US$ 30 mil por não fazer a checagem dos dados antes de publicar o livro.

 

Via: The Guardian
Tags
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

Qual vai ser o melhor game de outubro de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.