Microsoft inicia testes para armazenar dados em DNA sintético

A Microsoft fez uma parceria com a Twist Bioscience, uma startup que produz DNA sintético capaz de armazenar dados, para codificar grande quantidade de informações em genes artificiais. Assim, a empresa poderia ter uma alternativa aos meios físicos de armazenamento que possuem uma vida útil pequena e exigem que os dados guardados sejam recodificados constantemente. De acordo com pesquisadores, a utilização de DNA sintético faria os dados permanecerem intactos por até 2000 anos.

Inicialmente, a Microsoft adquiriu 10 milhões de oligonucleotídeos da Twist Bioscience para fazer a codificação. A empresa não revelou, exatamente, que tipo de dados pretende armazenar no DNA sintético. Mas sabemos que o que ela tem em mãos suporta muito material. Em apenas um grama de genes é possível armazenar cerca de 1 trilhão de gigabytes.

E a eficiência da ideia também estaria convencendo a empresa. Segundo Doug Carmean, pesquisador da Microsoft, os testes iniciais com os genes sintéticos foram bem sucedidos. "Nós conseguimos codificar e decodificar 100% dos dados digitais armazenados no DNA sintético", disse. No entanto, ele admite que há muito caminho pela frente para tornar essa ideia em um produto comercialmente viável.

Via: TechCrunch Fonte: Twist Bioscience
Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.

Qual vai ser o melhor game de setembro de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.