Microsoft acatou 63% dos pedidos para remover conteúdo de "revenge porn" da internet

Na metade do ano passado a Microsoft anunciou novas políticas com a promessa de mais prontamente os pedidos de retirada de conteúdo de "revenge porn"* de seus servidores e de seu buscador, o Bing. Nos seis meses que se seguiram foram 537 pedidos, dos quais a empresa acatou 63%.

Um pedido de retirada de conteúdo aceito pela empresa pode ser bastante eficaz, uma vez que ela remove tudo que está dentro do seu alcance. Uma foto ou vídeo compartilhados via Xbox Live ou One Drive, por exemplo podem ser removidas de qualquer site, se ninguém fez o download, editou e refez o upload por outro meio. Para os 37% que não tiveram essa sorte as justificativas são as seguintes: ou a Microsoft requisitou mais informações para "determinar" o pedido ou ela avaliou o conteúdo em questão e decidiu que ele não se encaixa nos critérios de "revenge porn" por não conter nudez ou por "não identificar a vítima na imagem".

Em comparação, quando o assunto é violação de direitos autorais, foram 60 milhões de pedidos no mesmo período, onde a Microsoft acatou 98%.

Enquanto é muito fácil verificar os critérios de copyright, "não identificar a vítima na imagem" soa como um critério perigoso, já que pode ser bem mais difícil para alguém da Microsoft reconhecer uma pessoa sem ver o rosto dela, mas nem tanto para seus amigos e familiares. 

*Revenge porn significa "pornô de vingança" e é quando um indivíduo espalha na internet fotos ou vídeos íntimos de seu ou sua ex com a intenção de expor e humilhar a vítima. Além de patética, essa é uma prática criminosa.

{via}Business Insider|http://www.businessinsider.com/microsoft-takes-down-revenge-porn-2016-3{/via} 

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Tags
  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.