Apple recusa pedido de ajuda do FBI para desbloqueio de celular de terrorista

Mais uma vez a segurança nacional dos Estados Unidos cria uma disputa entre o direito a privacidade individual e a segurança do coletivo. Agência Federal de Investigação americana (FBI) protocolou ontem um pedido requisitando que a Apple dê acesso a dados de um smartphone da empresa. O dispositivo é de posse de Syed Farrok, que juntamente com sua esposa foi responsável pelo tiroteio em San Bernadino, onde morreram 14 pessoas e 22 ficaram feridas.

As autoridades americanas tem posse de um aparelho celular do terrorista, um iPhone 5c, e estão requisitando auxílio da Apple para ter acesso aos dados de Farrok. Prontamente a Apple respondeu horas depois através desse post assinado por Tim Cook (em inglês), onde deixa claro que não irá ceder os dados por temer o precedente que está criando:

 O governo dos Estados Unidos da América demandou que a Apple dê um passo sem precedentes e que põe em risco a segurança de nossos consumidores. Nós nos opomos a essa ordem, que tem implicações que vão muito além do caso em questão

- post da Apple, em tradução livre


O pedido do FBI consiste na criação de uma versão do iOS com as seguintes alterações:

 1)  Desabilitar o recurso que apaga todos os dados do usuário caso a senha seja digitada incorretamente muitas vezes
2) Retirar o atraso para novas tentativas caso a senha seja preenchida incorretamente
3) Permitir que o FBI insira a senha através de uma conexão física do aparelho ou outro protocolo de conexão como Bluetooth e WiFi 

- Continua após a publicidade -


Com essas alterações o FBI seria capaz de realizar um "ataque de força bruta" para desbloquear o aparelho, conseguindo realizar tentativas rapidamente até encontrar a senha correta sem correr o risco de que outros mecanismos de segurança do iOS entrem em ação, apagando dados ou mantendo o aparelho inutilizado por longos períodos.

O FBI quer que a Apple crie uma versão do iOS vulnerável, para ter acesso aos dados de Farrok

Apesar da comoção em torno do atentado em San Bernardino, a Apple decidiu enfrentas essa disputa com o governo cedo ao invés de tarde. "Se o governo pode usar o All Writs Acts para tornar um iPhone fácil de ser desbloqueado, isso lhe dará poder para acessar qualquer dispositivo e capturar seus dados", afirmou Cook em seu post. A posição da Apple foi endossada por outros gigantes da tecnologia, como o CEO da Google através do Twitter e o CEO do Whatsapp em um post no Facebook.

O Whatsapp passou por uma disputa semelhante aqui no Brasil, que culminou na retirada temporária do serviço do ar. O motivo do conflito é a divergência entre o Whatsapp e o governo acerca de cessão de dados dos usuários da plataforma. A Justiça queria acesso a informações de contas que poderiam auxiliar em investigações criminais,enquanto o Whatsapp afirmou que não cederia dados das pessoas que utilizam o app, para proteger a intimidade e suas informações de seus usuários.

O serviço de mensagens instantâneas também afirma em suas políticas de uso que "não armazena informações de identidade dos usuários" e as mensagens enviadas pelo serviço Whatsapp "não são copiadas, mantidas ou arquivadas pelo Whatsapp".

- Continua após a publicidade -

Outro ponto importante do conflito Whatsapp versus a justiça brasileira é técnico: a plataforma de mensagens instantâneas afirma que não armazena dados de seus usuários, logo não teria as informações que o governo brasileiro requisitou. A estratégia parece plausível para outros gigantes da tecnologia, como especulou o TechCrunch: a Apple pode estar trabalhando em um sistema de segurança "fechado" o suficiente para que ela própria seja incapaz de quebrar, tornando inefetivo esse tipo de requisição de auxílio por parte do governo americano.

O que a Apple deve fazer no caso de San Bernardino, onde o FBI pediu ajuda para desbloquear o iPhone de um terrorista?

Deve ajudar a desbloquear o iPhone
55.96%
Não deve criar o precedente
44.04%

Total de 4273 votos

 

{via}TechCrunch|http://techcrunch.com/2016/02/17/why-apple-is-fighting-not-to-unlock-iphones-for-the-government/{/via} 

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Em um remake, você quer:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.