Após perda de clientes, operadoras de TV brasileiras pretendem deixar Netflix mais caro

As operadoras de TV a cabo estão perdendo espaço por causa do serviço de streaming Netflix e, agora, as companhias estão preparando uma ação judicial para dificultar o funcionamento da plataforma no Brasil.

De acordo com informações do UOL, um grupo formado pelas maiores empresas de TV a cabo do país vão "atacar" o Netflix em quatro frentes. Primeiro, as companhias pretendem impor ao Netflix o pagamento da taxa Condecine, cerca de R$ 3 mil por cada filme do catálogo da plataforma. As empresas também querem que o governo obrigue o serviço a ter 20% de conteúdo nacional na plataforma.

O terceiro ponto está diretamente ligado aos clientes: as empresas de TV a cabo pedem que os Estados passem a cobrar o ICMS (imposto sobre circulação de mercadoria e serviços) das assinaturas do Netflix.

Além de tudo isso, as operadoras também estudam um jeito de impor uma taxa extra ligada ao consumo de banda quando o cliente utilizar o Netflix - o que fere o Marco Civil da Internet, que está em processo de regulamentação.

Desde 2014, o uso de TV a cabo no país decaiu e as companhias perderam cerca de 1 milhão de usuários, enquanto os números do serviço de streaming norte-americano só sobem, o que seria a principal justificativa das empresas para boicotar o Netflix. Após a veiculação da reportagem do UOL, diversos movimentos da internet sugeriam um boicote coletivo as TVs por assinatura, dando apoio ao estilo de negócio do Netflix no Brasil.


Reed Hastings, CEO da Netflix

- Continua após a publicidade -

Busca por conteúdo nacional é dificultada por emissoras 

O Netflix entrega conteúdo on-demand e por preços mais em conta do que uma assinatura de TV a cabo. Ainda não existe uma regulamentação para o uso da plataforma exclusiva da internet, o que abre chances para as companhias de TV tentarem encarecer o serviço no país.

Caso as medidas das companhias de TV sejam impostas, a adição de conteúdos brasileiros na plataforma parece ser uma das mais difíceis de serem mantidas. Segundo o UOL, o grupo Globo, maior produtor de conteúdo nacional, não mentém relações com a companhia estrangeira. A empresa possui seu próprio serviço de streaming pago, o Globosat Play, onde a maioria dos conteúdos da rede Globosat é hospedada, o que torna ainda mais improváveis as relações com o Netflix. 

No Brasil, a relação do serviço é mais aberta com a Record e o SBT, que já venderam títulos para o serviço de streaming. A companhia norte-americana também está buscando parcerias com estúdios independentes no Brasil e já está preparando uma série original feita aqui. O seriado chamado "3%", que foi recusado pelas emissoras brasileiras, chega em 2016 aos mais de 190 países em que o serviço está presente.

- Continua após a publicidade -

De acordo com o site Unofficial Netflix online Global Search,  o Netflix disponibiliza mais de  3500 títulos no Brasil, incluindo episódios de séries e filmes. Além dos preços baixos das assinaturas, que ficam entre R$ 19,90 e R$ 29,90, o serviço agrada pelo grande número de produções originais, que incluem filmes como "Beasts of no Nation" e séries premiadas como "Narcos", "House of Cards" e "Orange is The New Black".

Criador de Futurama e Os Simpsons estaria
trabalhando em série animada para a Netflix 

A plataforma vem passando por uma grande expansão nos últimos anos e teve uma valorização de suas ações de 140% em 2015. No último relatório da empresa, foram contabilizados 75 milhões de assinantes, número que deve aumentar, já que no início deste ano, Reed Hastings anunciou a chegada do serviço em mais 130 países.

Agora, basta esperar para ver se a investida das TVs a cabo brasileiras vai surtir efeito no Netflix. Enquanto o serviço continua barato, você pode aproveitar a nossas sugestões de filmes para assistir na plataforma.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Tags
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

Qual a sua marca de headphones/headsets para jogos preferida? - Pesquisa de Periféricos 2021

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.