Conexão 4G no Brasil pode chegar a 42 milhões de aparelhos em 2016, indica estudo

Cada vez mais popular entre os usuários da telefonia móvel, a conexão 4G pode atingir um novo patamar no Brasil em 2016: alcançar os 42 milhões de aparelhos

TIM, Vivo e OI passam a compartilhar redes 4G

Pelo menos é isso o que aponta um estudo realizado pela GSMA Intelligence, uma divisão da GSMA que estuda e publica estatísticas sobre o cenário da telefonia mundial.

De acordo com a pesquisa, o país vai somar 42 milhões de aparelhos habilitados e conectados a redes 4G, o que significa um aumento de 87% em relação a 2015, quando as conexões do mesmo tipo chegaram a 23 milhões de aparelhos.     

Ainda segundo o estudo, o Brasil é o maior mercado da América Latina em adoção da tecnologia 4G. No geral das conexões (3G e 4G), foram 267 milhões até dezembro do ano passado, sendo que as conexões 4G representaram 9% desse montante.

Para 2016, a previsão é de que a soma das conexões 3G e 4G conexões chegue a um total a 278 milhões. Só que o número de aparelhos conectados a redes 4G pode chegar a 15%, próximo do dobro da estatística do ano anterior.

- Continua após a publicidade -

O que vai impulsionar esse aumento em ambos os lados, segundo o estudo, é a crescente penetração de smartphones no Brasil em 2016 mesmo que o país esteja vivenciado uma crise econômica e os preços desses produtos sejam diretamente influenciados pela alta do dólar e pelos impostos.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.