Situação crítica de poluição na China pode alavancar o comércio em massa de carros elétricos

A China está enfrentando uma situação crítica, talvez quase uma calamidade, nos últimos dias. Por causa da grande população e, consequentemente, alta circulação de veículos, a capital Beijing ultrapassou o nível de poluição considerado "aceitável" pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na segunda-feira, a cidade passou três dias em "alerta vermelho", no qual o governo instruiu as pessoas a não dirigir veículos com combustíveis a base de petróleo e fazer rodízio de carros. Nas imagens, é possível ver claramente a mudança que a poluição causou no ambiente da metrópole.


Crédito de imagens: Uol


 "Recentemente, a neblina tem sido tão séria que as pessoas nem saem de casa. Elas nos contatam por telefone para saber os valores dos carros elétricos." 

- Li Hui, empresário na empresa de carros elétricos BYD

- Continua após a publicidade -

Como consequência da alta concentração de poluentes no ar de Pequim, muitas pessoas têm considerado comprar carros elétricos como alternativa para, além de contribuir com o meio ambiente e saúde da cidade, poderem sair de casa sem o peso na consciência de estar poluindo ainda mais o ar já lotado de gases prejudiciais à saúde.

Essa alta demanda por carros "ecologicamente corretos" pode alavancar a indústria de veículos elétricos não só na China, mas talvez em lugares onde o índice de poluição também obriga Estados a definirem medidas provisórias. "Estou considerando comprar um carro elétrico. A nova política não limita o tráfego desses tipos de carro porque eles não emitem uma poluição "pesada" quando os outros modelos fazem", disse Wang Chao à Reuters.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que para manter uma qualidade aceitável do ar a concentração de partículas PM 2,5 (partículas extremamente pequenas) não deve passar de 25 microgramas por metro cúbico. Nesta semana, a capital chinesa chegou a um índice de 666 microgramas/m³. 

Beijing possui cerca de 10 milhões de carros, e o rodízio de veículos na cidade tem a proposta de mantes apenas metade deles, 5 milhões, circulando na rua. Apesar de muitos motoristas reclamarem, a maioria da população pede que o rodízio se torne uma medida permanente. 

- Continua após a publicidade -

{via}Reuters|http://www.reuters.com/article/us-china-pollution-autos-idUSKBN0TT08K20151211#1wB6uslsy8wRWMUI.97{/via} 


Tags
  • Redator: Mariela Cancelier

    Mariela Cancelier

    Mariela é jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina e gosta de jogos de luta e MOBAs. Foi estagiária do Adrenaline e Mundo Conectado e atualmente é redatora freelancer em ambos os sites.

Você quer processadores da AMD com gráficos integrados

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.