GamesCom 2015: Indie Deliver Us The Moon acerta na atmosfera espacial com a Unreal Engine 4

 

Os jogos indies também marcaram forte presença na GamesCom 2015. Enquanto os blockbusters ganhavam a atenção do público com estandes e muitos presentinhos, os games indies atraíam os olhares dos mais curiosos pela criatividade e temáticas diferenciadas. "Deliver Us The Moon", da produtora alemã KeokeN Interactive, é um desses casos. Tive a oportunidade de jogar a demonstração por cerca de 15 minutos e, abaixo, você confere as impressões.

"Deliver Us The Moon" põe o jogador no controle de um astronauta que está aparentemente isolado na sua estação de controle. Não há textos, diálogos e indicações óbvias do que fazer. Apenas alguns objetos iniciais que servem para a resolução de quebra-cabeças simples. A mecânica é direta: junte algumas peças, use-as na ordem correta e prossiga até a próxima porta ou passagem para dar sequência na exploração. Por ora, esse é o único ponto menos elaborado do jogo, pois todo o restante agrada bastante e, o mais legal de tudo, envolve e instiga o jogador como poucos jogos conseguem fazer. Inclusive os do tipo triplo A.


Minha casa, telefone

Um dos destaques de "Deliver Us The Moon" é a sua atmosfera. Os cenários tem uma iluminação precisa, daquele tipo que serve, ao mesmo tempo, para localizar o jogador no espaço e para criar um certo suspense. Os produtores garantem que não há elementos de terror no game. A proposta não é beber da mesma fonte de "Dead Space". Em vez disso, a aposta é na solidão do controle do personagem, sempre acompanhado por uma melodia singela, porém preocupante, que aos poucos vai consumindo o (sub) consciente. O mistério cresce e as dúvidas aumentam.

- Continua após a publicidade -

De repente, a luz verde localizada na nuca da roupa do astronauta agora está vermelha. O oxigênio está acabando. Preciso procurar alguma fonte de reabastecimento. Eu nem tinha percebido, mas passei por uns dois desses pontos anteriormente. Inclusive deixei passar algumas salas que, em perspectiva diferenciada de câmera, nem chegaram a entrar no meu ângulo de visão. A luz volta a ficar verde e resolvo entrar numa dessas salas. A Terra aparece esplendorosa ao longe, rodeada de milhares de estrelas ao fundo. A sensação de calmaria do momento, justamente estar tão longe de cada, é bastante marcante.

Mais para frente, resolvo alguns novos puzzles e libero um robô redondo que flutua e, a partir de agora, me acompanha na viagem - ganhei um pet espacial. Ainda sem nome e sem poder falar (ainda bem), esse robô libera o mecanismo que eu mais estava aguardando. A estação espacial está pousada na Lua. E, agora, estou livre para explorar nosso satélite, que imediatamente impõe uma sensação surpreendente de impotência e insignificância sobre mim. Olha só: tem umas estruturas ali mais para frente... Mas o que é isso? Por que a tela está escurecendo? "Não!!!!", digo para o produtor que me acompanha, surpreso com minha reação e com o fato de eu ter sido rapidamente captado pela experiência.


Unreal Engine 4

"Deliver Us The Moon" ainda acerta em cheio nos gráficos. Desenvolvidos com a Unreal Engine 4, o realismo define o game, trazendo cenários, objetos, texturas e paisagens espaciais que se aproximam da realidade. Segundo um outro desenvolvedor presente no estande, o uso da engine da Epic Games foi ideal para gerar a imersão desejada para a experiência de exploração espacial, que não se tornaria tão crível ou impactante caso fosse produzida com recursos menos potentes. E isso fica realmente explícito durante os primeiros minutos da aventura.

- Continua após a publicidade -

A jogabilidade também está ótima. Simples e sem muitas combinações, os controles são de rápido aprendizado. O destaque fica mesmo para a física de controle do personagem, cujo equilíbrio entre o peso, pulo e velocidade de movimentação é exato. Só que tem um porém aqui: em um ambiente sem gravidade, o personagem teria que, pelo menos, manter o movimento da sua inércia em relação ao ponto de partida. Não é isso o que acontece no game. Todo pulo, por exemplo, tem um ponto de chegada, ou seja, o personagem "cai" e volta ao solo. Não está claro se isso é proposital, se a nave tem um mecanismo que assegura um mínimo de gravidade ou ainda, algum mistério extra sobre isso.

"Deliver Us The Moon" tem previsão de lançamento para 2016 no PC e no Xbox One. A versão para Playstation 4 está em negociação com a Sony

Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

Bingo pré-lançamento Radeon RX 6000. A Big Navi vai ser:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.